PUBLICIDADE

Revista: serviço secreto alemão ajudou a localizar Kadafi

22 out 2011 14h47
| atualizado às 15h13
Publicidade

O ditador líbio Muammar Kadafi foi localizado com a ajuda do Serviço Secreto Alemão (BND), que conhecia seu paradeiro há semanas, segundo informação divulgada neste sábado pela revista alemã Der Spiegel. A revista afirmou que o BND conhecia a localização exata de Kadafi em Sirte graças à densa rede de informantes que possui na região.

Vídeo mostra suposto corpo de Kadafi em Sirte:

A Der Spiegel destacou que o serviço de inteligência alemão não informou aos aliados as coordenadas exatas do paradeiro de Kadafi, mas que os dados fornecidos foram suficientes para localizá-lo com precisão. Além disso, a revista lembra que não é a primeira vez que o BND intervém discretamente em uma guerra e que já fez o mesmo no Iraque em 2003, apesar da recusa do então chanceler alemão, Gerhard Schröder, que a Alemanha participasse da invasão comandada pelos Estados Unidos.

Naquela ocasião, o BND proporcionou aos serviços secretos americanos dados precisos sobre potenciais alvos militares em Bagdá para facilitar os bombardeios.

Insurreição líbia culmina com queda de Sirte e morte de Kadafi
Motivados pelos protestos que derrubaram os longevos presidentes da Tunísia e do Egito, os líbios começaram a sair às ruas das principais cidades do país em fevereiro para contestar o coronel Muammar Kadafi, no comando desde a revolução de 1969. Rapidamente, no entanto, os protestos evoluíram para uma guerra civil que cindiu a Líbia em batalhas pelo controle de cidades estratégicas de leste a oeste.

A violência dos confrontos gerou reação do Conselho de Segurança da ONU, que, após uma série de medidas simbólicas, aprovou uma polêmica intervenção internacional, atualmente liderada pela Otan, em nome da proteção dos civis. No dia 20 de agosto, após quase sete meses de combates, bombardeios, avanços e recuos, os rebeldes iniciaram a tomada de Trípoli, colocando Kadafi, seu governo e sua era em xeque.

Dois meses depois, os rebeldes invadiram Beni Walid, um dos últimos bastiões de Kadafi. Em 20 de outubro, os rebeldes retomaram o controle de Sirte, cidade natal do coronel e foco derradeiro do antigo regime. Os apoiadores do CNT comemoravam a tomada da cidade quando os rebeldes anunciaram que, no confronto, Kadafi havia sido morto. Estima-se que mais de 20 mil pessoas tenham morrido desde o início da insurreição.

EFE   
Publicidade