3 eventos ao vivo

Estados Unidos

Sem pôr fim a embargo, Obama anuncia aproximação com Cuba

Arte Terra

Falando em cadeia nacional, Obama anunciou que os Estados Unidos vão revisar a designação de Cuba como Estado patrocinador do terrorismo

17 dez 2014
15h27
atualizado às 17h06
  • separator
  • 0
  • comentários

O presidente Barack Obama anunciou, nesta quarta-feira, um novo capítulo nas relações entre os Estados Unidos e Cuba, assinalando que já é hora de acabar com "um enfoque antiquado sobre a ilha comunista".

De acordo com Obama, chegou a hora de "soltar as amarras do passado".

Barack Obama anuncia uma mudança na política em relação a Cuba, em um discurso à nação, a partir da Sala do Gabinete da Casa Branca, em Washington, em 17 de dezembro
Barack Obama anuncia uma mudança na política em relação a Cuba, em um discurso à nação, a partir da Sala do Gabinete da Casa Branca, em Washington, em 17 de dezembro
Foto: Doug Mills/Pool / Reuters

Em um discurso na Casa Branca, o presidente americano anunciou o fim de uma política "obsoleta" de isolamento da ilha comunista e disse que tal prática "fracassou durante décadas".

"Hoje estamos fazendo essas mudanças porque é a coisa certa a fazer. Hoje a América escolhe se soltar das amarras do passado, de modo a alcançar um futuro melhor, para o povo cubano, para o povo americano, para todo o nosso hemisfério, e para o mundo", disse ele.

Obama afirmou que a nova política vai tornar mais fácil as viagens de norte-americanos a Cuba. Ele disse que também irá conversar com membros do Congresso dos Estados Unidos sobre a suspensão do embargo dos EUA a Cuba.

Obama também anunciou que os Estados Unidos vão revisar a designação de Cuba como Estado patrocinador do terrorismo ."Através dessas mudanças, tentamos criar mais oportunidades para os povos americanos e cubanos e iniciar um novo capítulo", afirmou.

Obama afirmou que aposta em "uma Cuba mais livre e mais próspera", ao estender "uma mão de amizade" ao povo cubano. A mudança contempla ainda a abertura de embaixadas em Washington e Havana nos próximos meses.

O presidente americano agradeceu ainda ao papa Francisco pela ajuda que proporcionou no processo de aproximação dos dois países. O pontífice contribuiu para a melhoria nas relações ao pressionar a libertação do funcionário americano Alan Gross, preso em Cuba, disse o presidente.

Obama agradeceu ainda ao Canadá pelo papel que desempenhou ao sediar as negociações entre EUA e Cuba.

TV cubana mostra o presidente Raúl Castro fazendo um discurso à nação, em 17 de dezembro, em Havana. Castro disse que Cuba tinha concordado em restabelecer relações diplomáticas com os Estados Unidos
TV cubana mostra o presidente Raúl Castro fazendo um discurso à nação, em 17 de dezembro, em Havana. Castro disse que Cuba tinha concordado em restabelecer relações diplomáticas com os Estados Unidos
Foto: CUBANTV / AFP
Raul Castro faz pronunciamento simultâneo em Cuba
Já o presidente cubano, Raul Castro, em um pronunciamento simultâneo, anunciou que, durante conversa por telefone com o presidente americano, na terça-feira, acertou "O restabelecimento das relações diplomáticas" com os Estados Unidos, lamentando, no entanto, que ainda seja mantido o "bloqueio" econômico sobre a ilha.

"Acertamos o restabelecimento das relações diplomáticas. Isto não quer dizer que o principal tenha sido resolvido: o bloqueio econômico", disse Raul, que confirmou, também, a libertação de três agentes cubanos presos nos Estados Unidos, assim como as do funcionário terceirizado do governo americano Alan Gross e de um "espião de origem cubano" a serviço de Washington em Cuba.

Comunidade internacional parabeniza decisão
A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, parabenizou nesta quarta-feira, em nome do Mercosul, o povo cubano e seu governo por iniciar um processo de normalização das relações com os Estados Unidos "com absoluta dignidade e em um pé de igualdade".

Cristina, que exerce a presidência temporária do Mercosul, que hoje realiza sua XLVII cúpula semestral, mandou uma "imensa saudação e respeito à dignidade do povo cubano e seu governo, que souberam manter seus ideais no alto".

Além disso, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, também elogiou o anúncio do restabelecimento das relações entre Estados Unidos e Cuba.

"É uma notícia muito positiva. Agradeço aos presidentes Barack Obama e Raúl Castro por tomar este importante para normalizar suas relações", disse Ban em sua entrevista coletiva de fim de ano.

O secretário-geral acrescentou que a ONU vai monitorar os futuros passos para apoiar o que pode ser um maior envolvimento "entre dois povos que estiveram separados por muito tempo".

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro também se manifestou. "(Estou) muito feliz. É preciso reconhecer o gesto do presidente Barack Obama, um gesto de valentia e necessário na história. Foi dado um passo, talvez o mais importante de sua presidência", disse em discurso na Cúpula do Mercosul, no norte da Argentina.

Venezuela e Estados Unidos têm uma difícil relação desde o início do governo do falecido presidente Hugo Chávez. O país sul-americano denunciou por várias ocasiões conspirações de Washington contra seu país.

Com informações da AFP, da Reuters e da EFE.

  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade