0

Governo britânico pressionou Guardian a interromper investigação do caso Snowden

19 ago 2013
21h21
atualizado às 21h52
  • separator
  • 0
  • comentários

O governo do Reino Unido pressionou o jornal britânico The Guardian a interromper sua série de reportagens investigativas do caso Edward Snowden. O periódico, de grande tradição na imprensa mundial, é o responsável pela publicação da maioria das matérias sobre o ex-funcionário da inteligência americana cujos documentos permitiram trazer a público um vasto esquema de espionagem mantido pelos Estados Unidos e pela Inglaterra.

Glenn Greenwald, jornalista norte-americano radicado no Rio, foi o primeiro a divulgar as informações vazadas por Snowden
Glenn Greenwald, jornalista norte-americano radicado no Rio, foi o primeiro a divulgar as informações vazadas por Snowden
Foto: Reuters

Em um texto publicado no final da noite desta segunda-feira no seu site, o editor do Guardian Alan Rusbridger comenta a detenção temporária em Londres de David Miranda, namorado do jornalista americano Glenn Greenwald, e detalha que, ao longo dos últimos meses, representantes do governo do Reino Unido o buscaram com o intuito de pressionar o jornal a interromper as reportagens sobre o caso Snowden.

Segundo Rusbridger, o primeiro contato ocorreu há dois meses. Um alto oficial que se dizia representar a posição do premiê britânico, David Cameron, encontrou-se um par de vezes com o editor para pedir-lhe a devolução ou a destruição do material sobre o qual estavam trabalhando. Rusbridger qualificou o tom do encontro cordial, mas notou haver uma "ameaça implícita" de que outros membros do governo estariam mais dispostos a uma "abordagem draconiana".

Cerca de um mês depois, o editor do Guardian recebeu um telefonema de uma fonte do governo neste sentido, afirmando que os jornalistas já haviam "se divertido" e era de "devolver o material". Ele manteve encontros com novos representantes, que repetiram o pedido. "Vocês já conseguiram o debate que queriam. Não há mais necessidade de escrever sobre isso." O oficial confirmou a Rusbridger sua suspeita de que, caso o material não fosse devolvido, o governo adotaria meios legais para forçar o jornal a devolver os documentos de Snowden.

Snowden durante a reunião no aeroporto Sheremetievo, em Moscou
Snowden durante a reunião no aeroporto Sheremetievo, em Moscou
Foto: Human Rights Watch / Divulgação

O editor do Guardian contestou a pressão do governo, afirmando que os colaboradores da investigação possuem inúmeras cópias do material do caso e que o trabalho da reportagem é executado em muitos outros lugares que Londres, tornando portanto inútil a pressão para a entrega física de documentos.

As reportagens sobre Snowden começaram a ser publicadas no dia 6 de junho. O ex-funcionário da inteligência americana, procurado pela Justiça dos EUA, está atualmente na Rússia, país que lhe concedeu visto temporário de residência.

Além do texto de Rusbridger, o Guardian também traz nesta terça-feira um editorial sobre o uso da lei antiterror britânica para deter David Miranda no Heathrow.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade