publicidade
25 de março de 2014 • 07h25 • atualizado às 07h27

SP: 25 'encoxadores' foram presos por infiltrados em trens

Informação é da Polícia Civil, que vai pedir quebra de sigilo de dados de autores de páginas que promoviam ou debatiam as "encoxadas" pelo Facebook

Passageira segura cartaz protestando contra abusos a mulheres nos trens do Metrô de São Paulo
Foto: Dario Oliveira / Futura Press
  • Janaina Garcia
    Direto de São Paulo
 

Vinte e cinco dos 26 presos em flagrante em situações de assédio sexual nos trens de São Paulo, desde o início do ano, foram identificados graças à ação de agentes da Polícia Civil, do Metrô, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e da Guarda Civil Metropolitana infiltrados nos vagões. O trabalho é realizado por homens e mulheres nos três turnos do dia.

Vítima: 'Tenho que usar calça jeans para não ser assediada?'

A informação é do titular da Delegacia de Polícia do Metropolitano (Delpom), delegado Cícero Simão da Costa, segundo o qual, nos próximos dias, a Polícia Civil vai pedir à Justiça a quebra de sigilo eletrônico de “um grupo grande” de participantes e autores de páginas em redes sociais que não só estimulam como organizam as chamadas “encoxadas” - como o assédio ficou popular entre seus praticantes - em redes sociais como o Facebook.

A maior parte desses grupos foi extinta depois que uma onda de denúncias veio a público. A mais notória, e justamente a que não foi identificada pelos agentes infiltrados, aconteceu no último dia 17, na estação da Luz da CPTM, quando um estudante de administração de 24 anos foi preso em flagrante por tentativa de estupro depois de atacar uma mulher de 30 anos. Testemunhas que detiveram o jovem até a chegada de seguranças relataram que, além de expor o genital dentro de um vagão lotado, o rapaz ainda ejaculou na calça da vítima.

"Tanto o Departamento de Capturas e Delegacias Especializadas (Decad) quanto o setor de Inteligência da Polícia Civil rastrearam páginas em que esses encoxadores se organizavam ou trocavam experiências sobre suas ações e levantaram dados sobre eles. Identificamos não apenas autores, como outros participantes dessas páginas, que, mesmo banidas, já estão registradas nas investigações", avisou o delegado.

De acordo com o delegado, o trabalho dos homens e, "em boa parte", destacou, mulheres, consiste não apenas na abordagem direta, em caso de assédio, como em conversas dirigidas a passageiros. Grupos de encoxadores que se organizam e divulgam vídeos e fotos de vítimas pelo aplicativo Whatsapp também são alvo de investigação.

"Consideramos que esse tipo de ação é típica de quadrilha. O trabalho dos policiais, agentes e guardas infiltrados segue por tempo indeterminado", completou Costa, que, alegando razoes de segurança das investigações, não citou quantas pessoas estão envolvidas no monitoramento de ocorrências do tipo. 

Delegado titular da Delpom, Cícero Simão da Costa
Foto: Janaina Garcia / Terra

Entre os agressores, até estagiário da Justiça Federal
O Terra teve acesso a boletins de ocorrência e documentos impressos que, para a polícia, comprovam a organização e o planejamento de ações dos encoxadores através de grupos na internet. Em um deles, um homem aparentando no máximo 40 anos se gabava de ter "enfiado a mão todinha debaixo das pernas" de uma mulher em um ônibus lotado.

Também pelos BOs, é possível verificar que entre os encoxadores há desde desempregados a profissionais liberais aparentemente estabelecidos: designer, copeiro, engenheiro eletricista funcionário de uma multinacional de eletrônicos e até um estagiário de 22 anos da Justiça Federal de São Paulo - este, preso no último dia 20, na estação Trianon-Masp da Linha 2-Verde do Metrô depois de ser flagrado fotografando as nádegas de uma passageira. Aos seguranças da estação, que encontraram fotos no celular apreendido com o rapaz, ele disse que o aparelho disparara "fotos sequenciais" da vítima - que ainda ouviu palavras como "gostosa" disparadas pelo jovem, autuado por incitação ofensiva ao pudor.

Em outro caso, no mesmo dia, apenas uma estação adiante da Trianon-Masp –no caso, a Consolação, também na Linha 2-Verde -, um desempregado de 34 anos foi  preso depois de apalpar as coxas e as nádegas de uma passageira de 25 anos que seguia da Vila Matilde, na zona leste, para República, no centro. Abordada, ela chamou o homem de “tarado”, em voz alta, e policiais infiltrados o prenderam.

No dia 19 deste mês, no mezanino da estação da Sé, na Linha 1-Azul do Metrô, uma vendedora casada, de 33 anos, denunciou um engenheiro eletricista de 26 anos porque, segundo ela, ele “passou a mão nas genitais (da vítima)" durante o empurra-empurra que antecede a entrada no vagão. No BO, a mulher disse que, ao olhar para o assediador, ele estava "com cara cínica e sorrindo, dando a entender que a declinante (denunciante) havia gostado".

Na mesma estação, um designer foi preso no dia seguinte (20) depois de passar a mão nas nádegas de uma estudante. Ela relatou à Polícia Civil que o homem a perseguia desde a estação da CPTM em Mauá.

Vítima poderia ser parente do abusador, diz delegado
"Esse é um tipo de prática que é uma vergonha e agride o direito da mulher. Um agressor desses precisa saber que a vítima poderia ser sua mãe, sua irmã, sua noiva, sua filha", declarou o titular da Delpom, que também aconselhou: "A pessoa que for vítima desse tipo de abordagem precisa denunciar, pois é a divulgação dos casos que ajuda a punir e a educar que isso é crime e que os direitos têm que ser respeitados", definiu.

Terra