Tragédia em Santa Maria

publicidade
05 de fevereiro de 2013 • 08h50 • atualizado às 14h55

Garota que desistiu de ir à Boate Kiss morre em acidente no PR

Jéssica de Lima Röhl e o namorado Adriano Stefanel morreram após acidente em rodovia de Toledo, no Paraná
Foto: Facebook / Reprodução
 

Uma estudante que havia desistido de ir à Boate Kiss, em Santa Maria (RS), na noite de 26 de janeiro - e se salvado do incêndio que matou mais de 230 pessoas - morreu no último sábado, em um acidente na rodovia PR-182, em Toledo (PR), 540 quilômetros a oeste de Curitiba. Jéssica de Lima Röhl, 21 anos, era estudante de Tecnologia em Agronegócio da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e ajudou na divulgação da festa de universitários que acabou em tragédia. Ela viajava com o namorado Adriano Stefanel, de 20 anos, quando o carro onde eles estavam colidiu com um caminhão, matando os dois.

Galeria de fotos: Veja quem são as vítimas do incêndio em boate de Santa Maria
Infográfico: Veja como a inalação de fumaça pode levar à morte
Veja relatos de sobreviventes e familiares após incêndio no RS

De acordo com o pai de Adriano, Nilton José Stefanel, 48 anos, Jéssica ajudava na venda de ingressos para a festa. Na noite da tragédia, o filho, que morava em Toledo, havia aconselhado a namorada a não ir à boate. “Provavelmente ele sentiu alguma coisa e pediu para ela não ir, e a Jéssica acabou não indo. Assim que amanheceu o domingo, ele ligou para casa chorando desesperado, já sabendo da tragédia, perguntando se a minha filha de 16 anos tinha ido, mas ela também não foi”, contou o agricultor.

“A Jéssica ficou muito feliz e muito agradecida por ter ouvido o conselho dele. A partir desse momento, ela o considerava um anjo e ele se sentia um herói por ter salvado alguém”, contou. “A família dela ficou muito feliz por ela não ter ido naquela noite da tragédia, e agora ficou traumatizada pelo que ocorreu, mas estão mais conformados pela morte dela não ter sido na boate”, disse Nilton, ressaltando que as famílias têm encontrado força na religião, o espiritismo.

No domingo da tragédia, Adriano usou a sua página no Facebook para postar uma mensagem de solidariedade às vítimas. “Diante ao fato ocorrido em Santa Maria, muitos conhecidos perderam suas vidas. Aos que ficaram, agradeçam a Deus e rezem pelas pessoas que se foram e pelos familiares das mesmas para terem forças para superar esta grande perda”, escreveu. 

 
INCÊNDIO EM SANTA MARIA

Entenda detalhes de como aconteceu a tragédia em Santa Maria, na região central do RS, que chocou o País e o mundo e como era a Boate Kiss por dentro

O acidente
O pai do jovem conta que, na última quinta-feira, Jéssica viajou para Toledo para buscar o namorado, que iria voltar a morar no Rio Grande do Sul. Na sexta-feira, o pai, que mora em Silveira Martins, cidade vizinha de Santa Maria, também foi para o Paraná para ajudar na mudança de Adriano. “No sábado de tarde, fui até a casa dele, que fica dentro da empresa onde ele trabalhava. Nós carregamos tudo e estava tudo combinado para domingo voltarmos. Ele disse que ia sair mais tarde para tomar um lanche e buscar gelo na cidade, que fica perto. Eu me despedi e ele ficou lá”, recordou o pai.

À noite, Adriano e Jéssica embarcaram no Gol para ir à cidade, mas não chegaram no destino. Eles haviam andado poucos metros, quando, por volta das 21h10, o carro em que estavam colidiu de frente com um caminhão com placa de Cascavel. Jéssica morreu no local. Adriano chegou a ser socorrido, mas não resistiu. Ele completaria 21 anos no dia seguinte. “Ele sempre ligava para casa dizendo que se sentia muito sozinho e assim que conseguisse emprego, voltaria. Só que ele voltou de outra forma”, lamentou Nilton, que acredita em destino. “Quando termina a missão da pessoa aqui, seja na boate, na estrada, em qualquer lugar, quando teu destino não tem outra solução, não nos resta outra coisa a não ser aceitar a vontade de Deus”, afirmou.

Embora Jéssica fosse moradora de Santa Maria, ela foi enterrada ao lado do namorado, em Silveira Martins. “Foi um pedido da própria família dela”, completou o pai de Adriano. 

Incêndio na Boate Kiss
Um incêndio de grandes proporções deixou mais de 230 mortos na madrugada do dia 27 de janeiro, em Santa Maria (RS). O incidente, que começou por volta das 2h30, ocorreu na Boate Kiss, na rua dos Andradas, no centro da cidade. O Corpo de Bombeiros acredita que o fogo tenha iniciado com um artefato pirotécnico lançado por um integrante da banda que fazia show na festa universitária.

Segundo um segurança que trabalhava no local, muitas pessoas foram pisoteadas. "Na hora que o fogo começou, foi um desespero para tentar sair pela única porta de entrada e saída da boate, e muita gente foi pisoteada. Todos quiseram sair ao mesmo tempo e muita gente morreu tentando sair", contou. O local foi interditado e os corpos foram levados ao Centro Desportivo Municipal, onde centenas de pessoas se reuniam em busca de informações.

A prefeitura da cidade decretou luto oficial de 30 dias e anunciou a contratação imediata de psicólogos e psiquiatras para acompanhar as famílias das vítimas. A presidente Dilma Rousseff interrompeu uma viagem oficial que fazia ao Chile e foi até a cidade, onde se reuniu com o governador Tarso Genro e parentes dos mortos. A tragédia gerou uma onda de solidariedade tanto no Brasil quanto no exterior.

Os feridos graves foram divididos em hospitais de Santa Maria e da região metropolitana de Porto Alegre, para onde foram levados com apoio de helicópteros da FAB (Força Aérea Brasileira). O Ministério da Saúde, com apoio dos governos estadual e municipais, criou uma grande operação de atendimento às vítimas.

Na segunda-feira, quatro pessoas foram presas temporariamente - dois sócios da boate, Elissandro Callegaro Sphor, conhecido como Kiko, e Mauro Hoffman, e dois integrantes da banda Gurizada Fandangueira, Luciano Augusto Bonilha Leão e Marcelo de Jesus dos Santos. Enquanto a Polícia Civil investigava documentos e alvarás, a prefeitura e o Corpo de Bombeiros divergiam sobre a responsabilidade de fiscalização da casa noturna.

A tragédia fez com que várias cidades do País realizassem varreduras em boates contra falhas de segurança, e vários estabelecimentos foram fechados. Mais de 20 municípios do Rio Grande do Sul cancelaram a programação de Carnaval devido ao incêndio.

Colaborou com esta notícia o internauta Sergio Rodrigues Campinha, de Londrina (PR), que participou do vc repórter, canal de jornalismo participativo do Terra. Se você também quiser mandar fotos, textos ou vídeos, clique aqui.