3 eventos ao vivo

O que levou premiê britânica a convocar eleições antecipadas

18 abr 2017
12h24
atualizado às 14h24
  • separator
  • comentários

Toda vez que era perguntada quando seriam as próximas eleições, a primeira-ministra do país, Theresa May, respondia que "deverão ser em 2020".

Parlamento vota nesta quarta-feira se aprova antecipar eleições gerais
Parlamento vota nesta quarta-feira se aprova antecipar eleições gerais
Foto: Getty Images / BBCBrasil.com

Pelo menos é o que May, que está no cargo desde julho de 2016, vinha dizendo até hoje de manhã, quando anunciou a realização de eleições gerais no dia 8 de junho - em menos de dois meses -, marcando o que parece ser uma reviravolta na posição do governo.

Mas por que ela e sua equipe minimizaram, por tanto tempo, a possibilidade de eleições em breve?

Segundo Laura Kuenssberg, editora de Política da BBC, a razão é simples: o governo britânico não queria gerar instabilidade em meio às negociações do Brexit - como é conhecida a saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

O processo começou oficialmente em 29 de março e tem dois anos para ser concluído. O temor era de que uma corrida eleitoral pudesse criar um cenário de imprevisibilidade que prejudicasse a negociação do Brexit.

E muitos no Partido Conservador acreditavam que, mesmo com tempo para arrumar a casa e se estruturar, o partido rival, o Trabalhista, não conseguiria chegar a eleições em 2020 com chances reais de vitória.

E também havia, pelo que Kuenssberg aponta, a vontade de May de cumprir o que prometera, ou seja, manter a previsão de eleições em 2020.

Mas Kuenssberg diz que os desdobramentos da política subverteram essa lógica e que as vantagens de se antecipar as eleições acabaram se mostrando bem mais tentadoras.

Hoje, o Partido Conservador detém uma maioria parlamentar frágil, a ponto de integrantes da própria legenda - que se opõem ao governo - o obrigarem a voltar atrás em algumas posições.

Anúncio da premiê pegou o país de surpresa; governo vinha indicando que só realizaria eleições em 2020
Anúncio da premiê pegou o país de surpresa; governo vinha indicando que só realizaria eleições em 2020
Foto: Getty Images / BBCBrasil.com

No entanto, pesquisas de opinião sugerem que as eleições podem resolver esse problema.

Especialistas ouvidos pelos jornal britânico The Daily Telegraph apontam que 56 assentos hoje nas mãos dos trabalhistas podem ir para os conservadores. Assim, o partido liderado por May teria uma maioria mais folgada no Parlamento.

A premiê também parece ter confiança de que será confirmada no cargo. Ela assumiu em julho do ano passado ainda na esteira da renúncia de David Cameron, que tinha convocado - e perdido - o plebiscito que decidiu pelo Brexit.

Os conservadores disputarão sua primeira eleição sob o comando de May - que, como líder, assume automaticamente o cargo de premiê no caso de uma vitória de seu partido.

Para Kuenssberg, com um Parlamento renovado e uma bancada conservadora maior, May terá mais força nas negociações em casa e em Bruxelas.

A Lei de Parlamentos de Prazo Fixo de 2011 determinou que, a partir de 2015, as eleições parlamentares britânicas devem ocorrer a cada cinco anos - e alterar isso depende da aprovação do Legislativo.

Ou seja, para que as eleições sejam realizadas em 8 de junho, dois terços dos membros do Parlamento terão de aprovar uma moção apresentada pelo governo neste sentido.

A moção será apresentada na Câmara dos Comuns, e pelo menos 434 dos 650 deputados terão de votar a seu favor.

Como os principais partidos de oposição já se disseram a favor das eleições, acredita-se que ela seja aprovada com folga.

Mas na reta para as urnas, haverá riscos. Muitos foram pegos de surpresa na manhã desta terça-feira com o anúncio das eleições, mesmo dentro do próprio governo.

Kuenssberg lembra que se os últimos anos mostraram algo, foi que os acontecimentos políticos e o comportamento do eleitorado não são tão óbvios ou tão fáceis de prever.

Veja também

BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade