PUBLICIDADE

O. J. Simpson tenta anulação de sentença de 33 anos de prisão

15 mai 2013 21h25
| atualizado às 21h32
Publicidade

O ex-astro do futebol americano, O. J. Simpson, de 65 anos, participou de audiência nesta quarta-feira em tribunal de Las Vegas, em que tenta conseguir a anulação do julgamento que o enviou para a prisão por roubo e sequestro.

Simpson está preso há quatro anos, de um total de 33 a que foi condenado, por um crime cometido em 2007. O ex-atleta, ajudado por cinco homens, assaltou um quarto de hotel em Las Vegas, para recuperar artigos de uma coleção, entre os quais, alguns que considerava de sua família.

Os advogados de Simpson apelaram contra a sentença por entender que seu cliente foi mal assessorado por seu representante legal, Yale Galanter, que apontam como o responsável pela ida do ex-jogador para a prisão.

Em seu depoimento, retransmitido ao vivo através da internet, Simpson garantiu que Galanter foi quem lhe garantiu que estava no "direito de reaver suas coisas", e que planejou o crime baseado nos conselhos do advogado.

"Eram pertences da minha família, dos meus filhos, a nós, não a uns tipos que os vendiam em um quarto de hotel", disse o ex-atleta, que admitiu ter bebido antes da ação, mas que não sabia que os homens que executaram o roubo estivessem armados.

Durante o julgamento de 2008, O. J. disse que Galanter o havia tranquilizado dizendo que nunca o condenariam por "pegar suas coisas" e que não era preciso que ele testemunhasse em defesa própria.

Hoje, o ex-atleta voltou atrás na decisão e admitiu estar disposto a um acordo com as autoridades para evitar novo julgamento, mas que seu advogado na época não ofereceu esta possibilidade. Simpson revelou também que sua defesa não o informou sobre detalhes do processo.

Galanter e outras testemunhas prestarão depoimento nos próximos dias, até que a juíza Linda Marie Bell, do condado de Clark, decida sobre a realização de um novo julgamento e se Simpson pode responder em liberdade.

O. J. Simpson teve grande popularidade esportiva na década de 80 e chegou a participar de filmes após encerrar a carreira.

Em 1995, foi absolvido de um processo por assassinato de sua ex-mulher, Nicole Brown Simpson e Ronald Goldman.

O ex-atleta, ainda assim, foi condenado em julgamento civil posterior, a pagar US$ 33,5 milhões aos familiares dos dois mortos.

EFE   
Publicidade