PUBLICIDADE

Fukushima: alta radioatividade no reator 2 suspende drenagem

27 mar 2011 11h06
| atualizado às 11h24
Publicidade

Um elevado nível de radioatividade foi medido neste domingo em uma camada d'água que vazou do reator 2 da central nuclear de Fukushima, no nordeste do Japão, obrigando a suspensão das operações de bombeamento e a evacuação dos técnicos, anunciou a agência de notícias Jiji.

info infográfico situação crítica fukushima
info infográfico situação crítica fukushima
Foto: AFP

O nível detectado na água do subsolo da sala da turbina que fica atrás do reator é de 1 mil milisieverts por hora (medida de radiação), explicou à AFP um porta-voz da Tokyo Electric Power (Tepco), que opera a usina.

Depois de anunuciar, num primeiro momento, que este nível era "10 milhões de vezes superior" ao tolerável, a Tepco convocou uma entrevista coletiva urgente para admitir que havia se equivocado, indicando ter confundido os elementos radioativos analisados. A Tepco confirmou o nível de "1 mil milisieverts por hora".

Isto significa que o combustível no núcleo do reator provavelmente sofreu danos durante um princípio de fusão, provocado logo depois do terremoto seguido de tsunami do dia 11 de março, que danificou a central de Fukushima.

"Detectamos nas amostras de água taxas elevadas de césio e outras substâncias que geralmente não são encontradas na água do reator. Existe uma forte chance de que as barras de combustível tenham sido danificadas", advertiu a operadora. Foram detectados níveis de radioatividade de várias centenas de milisieverts por hora em torno dos reatores danificados da central, obrigando uma evacuação temporária dos funcionários que trabalham para conter a crise em Fukushima.

Na última quinta-feira, três técnicos que usavam apenas botas de borracha foram contaminados pela radiação ao caminhar por uma poça de água altamente radioativa durante uma intervenção na sala da turbina do reator 3, onde o nível de radiação chegava a 180 milisieverts por hora. Dois deles precisaram ser hospitalizados com queimaduras nos pés.

Cerca de 500 técnicos, bombeiros e militares trabalham dia e noite na central de Fukushima para tentar resfriar os reatores com canhões de água, bombas elétricas e uma bomba equipada com uma grua de 50 m, capaz de modificar o nível das piscinas de combustível irradiado situadas sobre os reatores.

Neste domingo, centenas de pessoas participaram de manifestações nas cidades de Tóquio e Nagoya, pedindo que o governo abandone suas centrais nucleares, atemorizados com as consequências do acidente da usina de Fukushima.

Terremoto e tsunami devastam Japão
Na sexta-feira, 11 de março de 2011, o Japão foi devastado por um terremoto de 9 graus, o maior da história do país. O tremor gerou um tsunami, arrasando inúmeras cidades e províncias da costa nordeste nipônica. Além dos danos imediatos, o país e o mundo convivem com o temor de um desastre nuclear nos reatores de Fukushima. Embora a situação vá se estabilizando, o desfecho e as consequências permanecem incertas.

Juntos, o terremoto e o tsunami já deixaram 10,6 mil mortos e dezenas de milhares de desaparecidos. Os prejuízos materiais devem passar dos US$ 200 bilhões. Em meio a constantes réplicas do terremoto e cortes de energia, o Japão trabalha para garantir a segurança dos sobreviventes, evacuar áreas de risco e, aos poucos, iniciar a reconstrução do país.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade