PUBLICIDADE

Vídeo de compra de votos mostra fraude eleitoral no Paraguai

Paraguai escolhe o próximo presidente neste domingo; candidatos dos partidos Colorado e Liberal são os favoritos

20 abr 2013
13h40 atualizado às 13h53
0comentários
13h40 atualizado às 13h53
Publicidade
<p>O senador e ex-ministro de Obras Públicas de Lugo, Efrain Alegre, é o candidato do Partido Liberal à presidência</p>
O senador e ex-ministro de Obras Públicas de Lugo, Efrain Alegre, é o candidato do Partido Liberal à presidência
Foto: Divulgação

Um vídeo que mostra um legislador opositor e líderes governistas negociando a compra de votos gera polêmica antes das eleições deste domingo no Paraguai e mostra a vigência de históricas manobras de fraude, denunciadas pela esquerda e combatidas por uma campanha estatal.

Na gravação se vê um senador do partido Colorado (direita conservadora) realizando o que chamou de "trato apu'a" (acordo categórico "de cavalheiros" em guarani) com dois dirigentes do partido Liberal (direita liberal), atualmente no poder.

No vídeo, o parlamentar Silvio Ovelar, suspenso na sexta-feira do Senado por dois meses, oferece aos dirigentes liberais de um assentamento em uma localidade do departamento de Caaguazú 100 mil guaranis (cerca de US$ 50) por eleitor que não vote e outro tanto para o próprio eleitor.

Ovelar argumentou em coletiva de imprensa que, na realidade, trata-se de uma montagem para desmascarar um ato ilícito de seus rivais liberais, mas não apresentou provas. "Quis gravar para demonstrar que eram os liberais que compravam votos, mas deu errado e eu acabei caindo", disse.

<p>O empresário do ramo de cigarros Horacio Cartes representa o Partido Colorado no pleito </p>
O empresário do ramo de cigarros Horacio Cartes representa o Partido Colorado no pleito
Foto: Divulgação

O vídeo, divulgado no site do jornal ABC, ilustra um crime eleitoral que, no Paraguai, é uma prática comum. Nas ruas de Assunção podem ser vistos cartazes de uma campanha da promotoria, lançada no começo de abril, para tentar impedir que os cidadãos aceitem dinheiro em troca da retenção de seus documentos de identidade, necessários para votar.

"Não vendam suas identidades, é crime", é o slogan da campanha de conscientização, uma mensagem que aparece em cartazes, adesivos e nas redes sociais.

A compra e venda de identidades é punida com até cinco anos de prisão, lembra a promotoria, que instalou em sua sede central um centro de processamento de denúncias e linhas telefônicas para recebê-las no dia da eleição.

"A compra de identidade é uma prática muito comum dos dois partidos tradicionais no Paraguai que se aproveitam da necessidade e precariedade da população", disse o ex-presidente esquerdista Fernando Lugo (2008-2012), ao comentar o ocorrido em Caaguazú.

"É histórico. Nas eleições de 2008, inclusive, foi feito um documentário sobre isso nos bairros periféricos de Assunção e nos assentamentos rurais", acrescentou. Lugo, que concorre ao Senado pela Frente Guasú, esclareceu que, quando esses crimes são mínimos, não alteram o resultado final, mas quando há 20% de irregularidades, a lei prevê a anulação das eleições.

Entre os crimes eleitorais mais comuns destaca-se, além disso, a destruição de registros de dados, a venda de álcool próximo aos locais de votação e a perturbação da ordem pública. A Frente Guasú, que agrupa movimentos socialistas e ruralistas, divulgou um "Manual da Fraude" que reúne "as várias armadilhas que são cometidas durante o processo eleitoral" no Paraguai.

Entre elas destaca-se a compra da retenção da identidade, o pagamento para levar gente para votar e o uso de canetas com tinta que desaparece para invalidar a assinatura do presidente da mesa, entre outras manobras. O manual alerta para o "adversário amável que te convida para um delicioso tereré (infusão de erva mate) com laxante para que não volte mais à mesa".

Outra das fraudes denunciadas, conhecida como "Eu te conheço", consiste em uma pessoa votar com uma identidade que não é dela e quando um membro da mesa questioná-la, muitas pessoas afirmarem que o eleitor é quem diz ser.

Este domingo 3,5 milhões de paraguaios estão convocados às urnas para eleger o presidente e vice-presidente, os membros das duas câmaras do Legislativo, do Parlamento do Mercosul e dos 17 governos departamentais.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade
Publicidade