0

"Kim Kardashian mexicana" teria matado vários e ostenta arma

Claudia Ochoa Felix é líder de um grupo responsável por centenas de assassinatos no país

10 nov 2014
11h44
atualizado às 11h49
  • separator
  • comentários

A jovem, glamourosa e vaidosa Claudia Ochoa Felix é considerada, recentemente, uma das mulheres mais perigosas do mundo. Comparada com a estrela americana Kim Kardashian, por causa das curvas, Claudia é apontada como sendo líder do ‘esquadrão da morte’ mais cruel do planeta, chamado Lox Ántrax. O grupo é responsável por centenas de assassinatos; eles são contratados pelo mortal cartel de drogas de Sinaloa. As informações são do The Mirror.

Foto: Twitter

Assim como a “original”, a Kardashian mexicana vive cercada de seguranças – mas, estes são para protegê-la de ser assassinada. No mês passado, homens armados agarraram uma mulher que estava saindo de uma academia, acreditando que ela fosse Claudia. Ela foi torturada, enforcada e seu corpo foi jogado atrás de uma escola.

Claudia já se envolveu com três traficantes de carteis mexicanos e, seu último namorado, Jose Rodrigo Arechiga Gamboa, conhecido por El Chino, está preso. Após a detenção do amado, Claudia teria assumido a liderança dos Lox Ántrax.

A mexicana de 27 anos nega a ligação com o grupo assassino e, viciada nas redes sociais, afirma ser, apenas, uma “mãe dedicada” aos três filhos. Apesar disso, não deixa de aparecer em fotos que demonstram uma vida luxuosa e perigosa – ela já apareceu em diversas imagens portando uma AK-47 automática cor-de-rosa, além de uma M16.

O grupo é acusado de ter decapitado diversas pessoas com uma serra elétrica, além de ter feito vítimas de enforcamento como alvo deles. Pelo menos 100 mil morreram nos conflitos entre gangues mexicanas desde 2006. O namorado de Claudia foi acusado pessoalmente de ter matado dezenas dessas pessoas - incluindo os assassinatos de três vítimas que foram penduradas de uma ponte em 2011.

Foto: Twitter
Foto: Twitter

(Fotos: Reprodução/Twitter)

Drogas: da legalização à pena de morte Drogas: da legalização à pena de morte

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade