7 eventos ao vivo

Após Chile e Coreia, China barra entrada de carne brasileira

20 mar 2017
13h40
atualizado às 13h55
  • separator
  • comentários

A China suspendeu temporariamente a importação de carne brasileira nesta segunda-feira (20/03). O anúncio foi feito em meio ao escândalo provocado pela Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que na última sexta-feira revelou um esquema de venda do produto com data de validade vencida ou mesmo estragado e de liberação de licenças para frigoríficos sem fiscalização.

Foto: Reuters

O governo brasileiro confirmou o banimento temporário. O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, informou que a "China pediu ao governo brasileiro explicações sobre a Operação Carne Fraca".

"O Brasil dará todos os esclarecimentos aos chineses o mais rápido possível. Até receber as informações, a China não desembarcará as carnes importadas do Brasil", diz nota divulgada no site do ministério.

Principal parceiro comercial do Brasil, a China decidiu suspender a importação de carne do Brasil como uma "medida de precaução", afirmou uma fonte sob anonimato à agência de notícias Reuters.

Em comunicado, o Ministério da Agricultura da Coreia do Sul também afirmou que iria endurecer a fiscalização de carne de frango importada do Brasil e temporariamente barrar a venda de produtos de frango da BRF, segundo a Reuters .

De acordo com a agência, o ministério sul-coreano afirmou que fornecedores de frango brasileiro terão que apresentar um certificado sanitário emitido pelo governo brasileiro.

O Chile também suspendeu temporariamente a importação de carne brasileira, até que as empresas que exportam carne para o país sejam verificadas corretamente, ainda segundo a Reuters.

A União Europeia (UE) também estuda medidas em meio ao escândalo, que fez as ações da BRF caírem 8%, e as da JBS, 5% nesta segunda-feira. Ambos os frigoríficos foram mencionados nas investigações da PF.

Ações da Marfrig e da Minerva, que não estão envolvidas no escândalo, também caíram por temores em relação a mais suspensões de importações.

Deutsche Welle Deutsche Welle

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade