PUBLICIDADE

Marina Silva: “votarei em Aécio e o apoiarei”

Decisão acontece após candidato tucano apresentar carta defendendo parte das reivindicações da ex-senadora

12 out 2014 11h34
| atualizado às 12h43
ver comentários
Publicidade
Marina Silva argumentou que Aécio se comprometeu com pautas defendidas por ela
Marina Silva argumentou que Aécio se comprometeu com pautas defendidas por ela
Foto: Divulgação

A candidata derrotada à Presidência da República pelo PSB, Marina Silva, anunciou neste domingo seu apoio ao candidato Aécio Neves (PSDB) no segundo turno das eleições. "Votarei em Aécio e o apoiarei", disse a ex-senadora em coletiva de imprensa em São Paulo, ao lado de Beto Albuquerque (PSB), que era candidato a vice-presidente na chapa que ficou em terceiro lugar.

Segundo Marina, ela ainda vai discutir com Aécio Neves a forma que participará da campanha do PSDB.

Marina disse que resolveu apoiar o tucano após Aécio ter divulgado uma carta no sábado acatando compromissos para a área social e outras reivindicações defendidas por ela. No seu entendimento, o documento assinado pelo candidato do PSDB não teve o objetivo de ganhar o seu apoio, mas sim de se comprometer com políticas voltadas ao País.

"Os compromissos explicitados e assinados por Aécio têm como única destinatária a nação. É apenas nessa condição que eu os avalio para apresentar minha posição no segundo turno das eleições presidenciais", afirmou. "O que me move é minha consciência e assumo a responsabilidade pelas minhas escolhas", completou.

Segundo Marina, o documento intitulado "Juntos pela Democracia, pela Inclusão Social e pelo Desenvolvimento Sustentável" se assemelha à carta apresentada por Luiz Inácio Lula da Silva na campanha presidencial de 2002, em que o petista se comprometia com compromissos realizados no governo de Fernando Henrique Cardoso, como a manutenção do Plano Real.

Entre os compromissos defendidos pelo tucano, Marina destacou a reforma política, incluindo o fim da reeleição, continuidade do Bolsa Família, política de desmatamento zero, garantia dos direitos indígenas e adequação de uma política para o setor de energia do País.

Em sua fala, Marina ressaltou o que considera avanços realizados pelos governos dos presidentes Fernando Henrique Cardoso (1995 – 2002) e Luiz Inácio Lula da Silva (2003 – 2010), como a estabilidade econômica e políticas sociais. E disse que Aécio Neves pode completar o tripé do desenvolvimento do País.

“Fernando Henrique Cardoso traz a contribuição da estabilidade econômica. Luiz Inácio Lula da Silva traz a inclusão social. Poderemos colocar mais uma perna para completar o tripé: a sustentabilidade ambiental.”

A ex-senadora também criticou a postura da candidata à reeleição, Dilma Rousseff (PT), dizendo ter sofrido "ataques destrutivos de uma política patrimonialista, atrasada e movida por projetos de poder pelo poder" durante a campanha presidencial.

Marina também disse que é momento de alternância de poder, porque o País está abalado "com a volta da inflação" e com as "velhas alianças pragmáticas sem o suporte de um programa [de governo]."

"Agora, novamente, temos um momento em que a alternância de poder fará bem ao Brasil, e o que precisa ser reafirmado é o caminho dos avanços sociais, mas com gestão competente do Estado e com estabilidade econômica, agora abalada com a volta da inflação e a insegurança trazida pelo desmantelamento de importantes instituições públicas", afirmou Marina, criticando o governo Dilma Rousseff.

De acordo com Marina, sua decisão de apoiar a candidatura tucana acontece "após conversar com muitas pessoas" e "refletir sobre esse momento importante que o País está vivendo" e que esse posicionamento está apoiado em uma base de mais de 22 milhões de votos recebidos no primeiro turno.

1º turno
Com 21,32% ou 22,1 milhões de votos no primeiro turno, Marina Silva ficou em terceiro lugar, atrás de Dilma Rousseff, que obteve 41,59% dos votos do eleitorado (43,2 milhões no total), e Aécio Neves, que chegou ao segundo turno ao obter 33,55% (34,8 milhões). O PSB, partido pelo qual Marina concorreu, anunciou na última quarta-feira apoio a Aécio, mas seu presidente, Roberto Amaral, declarou apoio a Dilma. A Rede Sustentabilidade, grupo político criado por Marina e que deve se tornar um partido, recomendou voto em Aécio, branco ou nulo.

Veja o cenário eleitoral nos estados Veja o cenário eleitoral nos estados

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade