PUBLICIDADE

Educação

SC: professores estaduais encerram greve de mais de 2 meses

18 jul 2011
22h29 atualizado às 22h35
22h29 atualizado às 22h35
Publicidade

Fabrício Escandiuzzi
Direto de Florianópolis

Os professores da rede estadual de Santa Catarina decidiram, no início da noite desta segunda-feira, pôr fim a uma greve que já durava mais de dois meses. Em assembleia estadual realizada em Florianópolis, a classe optou por voltar às salas de aula após 62 dias de paralisação. Mesmo assim, ressalvaram, o estado de greve continua.

Na última semana, o governo catarinense aprovou um projeto na Assembleia Legislativa estipulando os vencimentos da classe para o próximo ano. O texto determinou que o magistério passasse a receber salários superiores ao piso nacional da categoria, mas, ao mesmo tempo, reduziu os porcentuais de uma série de benefícios da carreira, como a regência de classe e o quinquênio.

Nesta segunda, cerca de 2 mil professores, segundo a Polícia Militar, reuniram-se na região central de Florianópolis. A classe optou, quase que por unanimidade, em recuar na greve e voltar às salas de aula. Mesmo assim, muitos manifestantes ostentaram faixas e cartazes pedindo a prisão e o impeachment do atual governador, Raimundo Colombo (PSD).

Um dos principais motivos pela desistência da greve foi a decisão da Justiça em autorizar o governo do Estado a descontar os dias parados dos professores. "Vamos retornar às aulas, mas sem desistir do movimento", disse a coornadora do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado (Sinte), Alvete Bedin. "A luta continuará e estaremos atentos aos passos do governo."

A assembleia definiu que os professores devem retornar ao trabalho já na próxima terça-feira. Apesar do retorno, os 700 mil alunos matriculados na rede estadual ainda correm o risco de ver o ano letivo comprometido: segundo a Secretaria de Educação de Santa Catarina, a reposição de aulas deve durar até o dia 30 de dezembro.

Também foi decidido no evento de hoje que uma comissão vai acompanhar o andamento da proposta aprovada pelo governo na última semana na Assembleia. Durante a sessão, houve tentativa de invasão do plenário, e a tropa de choque da Polícia Militar precisou cercar o prédio para evitar que os deputados estaduais fossem agredidos pelos professores.

Decisão da Justiça que autorizou o governo a descontar os dias parados ajudou na desistência da greve
Decisão da Justiça que autorizou o governo a descontar os dias parados ajudou na desistência da greve
Foto: Fabrício Escandiuzzi / Especial para Terra
Fonte: Especial para Terra
Publicidade