Keynes e o comunismo

Após 70 anos de sua morte, John Maynard Keynes ainda é considerado um dos economistas mais influentes do século XX.

4 abr 2017
11h54
atualizado às 11h56
  • separator
  • comentários

Transcorridos 70 anos da sua morte, ocorrida em 1946, John Maynard Keynes continua sendo considerado um dos economistas mais influentes do século XX. Nascido em meio ao alto patriciado britânico, exemplar aluno e depois professor da Universidade de Cambridge - aonde viera ao mundo em 1883 -, por seu excepcional brilho, cultura, e seu pouco apego às idéias convencionais sobre economia, “a ciência triste”, fez carreira brilhante no serviço público.

John Maynard Keynes
John Maynard Keynes
Foto: Getty Images

Sua fama ascendeu com o ensaio crítico que ele escreveu sobre o desatino cometido pelos aliados (GB-FR-EUA), durante o Tratado de Versalhes, acertado em 29 de junho 1919, em estrangularem a economia alemã. Profetizou no livro “Conseqüências econômicas da paz” (The Economic Consequences of the Peace) que nada ganharia a Europa e o comércio mundial em geral em colocar a Alemanha de Weimar numa camisa de força. Propôs compaixão para com o vencido ao qual poderia ser punido com uma exigência de indenização exeqüível e não rapaz. Senão, a vingança seria inevitável, e viria mais tarde ou mais cedo. (*)

(*) Enquanto isto, recuperando-se de um ataque por gás sofrido no final da guerra, um até então anônimo cabo de um regimento bávaro, conhecido como Adolf Hitler, andava furioso pelas ruas de Munique vociferando contra os ‘ criminosos de novembro’, os políticos que haviam assinado o infame Tratado que, se levado a diante, arruinaria a Alemanha pelo século adentro.

Viagem à Rússia Soviética

Seis anos depois do ensaio Keynes casou com a bailarina russa Lídia Lopokova, nascida em S.Petersburg, mas que viera para o Ocidente para atuar com o famoso grupo “Os balês Russos”. Segundo um dito da época nunca se vira um encontro tão perfeito entre a inteligência e a beleza como a dupla Maynard-Lídia.

Pouco tempo depois ela, ao receber o apelo dos pais, insistiu em que o famoso marido viajasse com ela para a Rússia Soviética para que conhecesse sua família (era filha de um modesto porteiro de teatro).

Ainda que cultivando um esnobismo de classe, agregado ao desprezo pela gente comum cultivado pelo Grupo Bloomsbury, tribo sofisticada de artistas e intelectuais londrinos do qual ele fazia parte, Keynes decidiu pela ida. É certo que parte que o moveu a tomar a decisão foi a curiosidade em ver de perto o regime dos sovietes, “a república do populacho”, então governado pela tróica bolchevique: Stalin, Zinoviev, Kamenev ( Lenin havia falecido um ano antes, em janeiro de 1924). Um dos seus amigos e colega do Grupo de Bloomsbury, o filosofo Bertrand Russell visitara a URSS em 1920 e simplesmente - abominara o que vira, ainda mais com os comunistas transformando sua ideologia em religião, conforme seu ensaio “A prática e a teoria do bolchevismo” (The Practice and Theory of Bolshevism , 1920).

Keynes bem antes de partir em sua viagem de núpcias , em setembro de 1925, certamente, naquelas alturas da vida, estava com 42 anos, já havia lido “O Capital” de Marx, mas nada encontrou de significativo naquele enorme tratado e estava longe de abalar suas convicções liberais. Longe disto, acrescentou que não aceitava ser a União Soviética a chave que detinha a salvação do Ocidente (*).

Sobre isto em si, comentou:

“Como poderia eu aceitar a doutrina que é baseada numa bíblia, acima e fora de qualquer crítica, um livro-texto obsoleto que eu sei ser não só cientificamente errado como sem nenhum interesse ou aplicação para o mundo moderno? Como posso eu adotar um credo que prefere a lama à limpeza, exalta o grosseiro proletariado acima do burguês e da inteligência, sejam quais forem seus defeitos, são o que a vida tem de mais qualificado e certamente contêm  as sementes de todo o progresso humano? Mesmo que precisássemos de uma religião, como poderíamos encontrá-la no turvo refugo das livrarias comunistas? É duro para um filho educado e decente da Europa Ocidental encontrar seus ideais por lá (na URSS) a não ser que passe por um estranho e horrível processo de conversão que altere todos os seus valores.”

Na Rússia soviética

As autoridades bolcheviques certamente ficaram encantadas em ter por perto um dos símbolos da inteligência britânica. Keynes era visto como um “intelectual progressista” de Cambridge  o entusiasmo  deles chegou a ponto de condecorarem-no com um comenda cravejada de diamantes. Convidaram o grande homem para ir a Moscou para celebrar o 2º centenário da Academia Russa de Ciências.

Ele ficou impressionado com o mar de espiões em todas as partes, situação que foi atenuada por uma exposição de arte que ele jamais se deparara (Cézane, Matisse e outros).  Observou que os operários eram exaltados de todas as formas pelo governo, mas o mesmo tratamento não era estendido aos mujiques, os camponeses russos que continuavam sendo explorados por meio de uma política de preços como na velha ordem czarista (mal sabia ele que os mujiques melhor sucedidos, os kulaks, de modo infame, acossados como ‘inimigos do povo’, seriam praticamente exterminados durante a Grande Coletivização desencadeada por Stalin a partir de 1929.

Surpreendeu-se também pelos banquetes promovidos pela nomenklatura, a nova elite dirigente do país dos sovietes, que agiam como os sucessores da antiga burocracia que organizava banquetes estonteantes que começavam as 8 da noite e que se esticavam até às 5 da manha do outro dia. Eram os ex-servos se saciando nas belas pratarias do czar.

De volta ao Reino Unido

A viagem estimulou a que Keynes no seu retorno registrasse suas impressões em três artigos que, como quase tudo que ele escrevia, foram logo depois editados num pequeno livro intitulado “Uma curta visão sobre a Rússia (A Short View of Russia publicado pela Hogarth Press, em 1925).

Numa resposta a ênfase que a famosa Beatrice Webb (uma socialista Fabiana originária da nobreza britânica) dava à questão da luta de classe, Keynes  afirmou que as classes trabalhadoras “assumem a aparência de ser contra o alguém mais bem-sucedido, mais hábil, mais industrioso e mais parcimonioso do que a média das pessoas. É um partido de classes e esta classe não é minha classe...Posso ser influenciado por aquilo que me parece ser justiça e bom senso, mas a luta de classes me encontrará ao lado da burguesia educada”.

Neste particular, Keynes como tantos outros ativistas da elite, adotou o argumento nietzscheano de que as manifestações “vindas de baixo” são produtos do ressentimento social e não da injustiça de uma sociedade desigual.

Ainda assim a ida dele à URSS modificou-lhe o comportamento. Ele que gostava de inspecionar sua propriedade rural em Surrey vestindo-se como um lorde, passou a usar uma camisa camponesa e o famoso gorro russo de peles, tal um fazendeiro dos tempos do czar. Webb também acreditou que o casamento dele com Lídia, alguém vinda do povo,  de alguma forma fez com que ele em diversas oportunidade tomasse posições favoráveis aos operários e mineiros. Quer dizer, aplainou um tanto o esnobismo dele e evitou que ele ao envelhecer se tornasse um resmungão reacionário.

Bibliografia

Keynes, J.M. - A Short View of Russia. Londres:  Hogarth Press, 1925.

Nasar, Sylvia – A Imaginação Econômica: gênios que criaram a economia moderna e mudaram a história, São Paulo: Cia. das letras, 2012.

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade