Dislexia e déficit de atenção prejudicam aprendizagem de adultos

25 nov 2013
14h24
atualizado às 14h24
  • separator
  • comentários

Um advogado diagnosticado apenas aos 59 anos com dislexia que fez questão de procurar o pai, na época com 90 anos, para dizer que era disléxico; e não “burro”. Quando recorda dos atendimentos a adultos que fez nos 11 anos em que trabalha na triagem da Associação Brasileira de Dislexia (ABD), com sede em São Paulo, este é um dos casos mais marcantes que vem à memória da neuropsicóloga Maria Inez Ocanã De Luca. Ela conta que, na maioria dos casos, os adultos apenas começam a cogitar a possibilidade de ter essa dificuldade de aprendizagem de origem neurológica quando procuram atendimento para uma criança ou adolescente da família. No caso acima, o homem recebeu o alerta de um sobrinho diagnosticado como disléxico.

Como a dislexia tem origem genética, é hereditária e não tem cura, um ponto importante nos primeiros atendimentos de uma criança ou adolescente é saber do histórico da família, como explica Maria Inez. "Quando fazemos a primeira entrevista, pedimos que vão o pai e a mãe da criança, para podermos observar o ponto de vista de cada um. Sempre perguntamos para os pais se eles tiveram dificuldade de aprendizagem. Muitos deles pedem para fazer a avaliação também", conta.

A dislexia prejudica o entendimento de textos ou de símbolos gráficos. É comum que a pessoa precise reler várias vezes um texto para compreendê-lo. Também afeta a escrita: em alguns casos, o disléxico escreve a mesma palavra de formas diferentes em um mesmo texto sem perceber. Também ocorre de a pessoa confundir palavras que têm sonoridades parecidas ao ouvi-las.

De acordo com Maria Inez, a falta de diagnóstico e de acompanhamento psicopedagógico, indicado nos casos de dislexia, não impede o portador de concluir os estudos. Tudo vai depender, conforme ela, da força de vontade da pessoa e do quanto serão bem sucedidas as estratégias que ela adotar por conta própria para lidar com suas dificuldades.

Desconhecer o diagnóstico, porém, costuma causar diversos traumas, a maioria deles associados à sensação de insegurança, já que é frequente aqueles que têm dislexia terem a inteligência questionada. "É possível chegar até a um pós-doutorado mesmo sem tratamento. Mas não será uma escolha tranquila, porque a pessoa vai estar sempre questionando se tem capacidade mesmo para aquilo a que está se dedicando", explica.

TDAH não é distúrbio de aprendizagem, mas pode afetar ensino

Ainda que não esteja associado apenas à aprendizagem, o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), ou apenas TDA, quando não está associado à hiperatividade, também impõe desafios aos portadores na hora de se dedicar ao estudo. “Em uma pessoa com TDAH, a dificuldade não é específica da aprendizagem: é global em todas as atividades que ela vai fazer, pela dificuldade de se concentrar quando faz alguma atividade mais monótona, como uma reunião”, explica o psiquiatra Mario Rodrigues Louzã Neto, que coordena o Projeto Déficit de Atenção e Hiperatividade no Adulto do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. A impulsividade também é uma característica frequente. Ele estima que 95% dos pacientes atendidos pelo projeto receberam o diagnóstico apenas quando adultos.

Conforme Louzã Neto, cerca de 50% das pessoas com TDAH chegam à idade adulta sem sintomas do transtorno. Quem permanece com sintomas após os 18 ou 20 anos, segue portador de TDAH pela vida toda. A idade exata determinante varia conforme a maturação cerebral de cada um. Nestes casos, o tratamento com medicações, às vezes contínuas, costuma ser o mais usado. De acordo com o psiquiatra, pesquisas feitas em diferentes países indicam que cerca de 5% das crianças tenham TDAH, enquanto entre adultos este índice vai de 2% a 2,5%.

Os reflexos negativos dos diagnósticos tardios, conforme a psicóloga e psicanalista que preside a Associação Brasileira do Déficit de Atenção, Iane Kestelman, costumam gerar uma série de transtornos posteriores. Para ela, crianças que não recebem diagnóstico correto até 12 anos terão consequências quando adultas. “Há pessoas que vêm nos procurar com a vida devastada. Grande parte desenvolveu pouco o potencial que tinha. A sensação é muito parecida com a de colocar uma criança míope em uma sala de aula sem óculos. Ela vai ver alguma coisa, mas não o suficiente para desenvolver todo o potencial que tem”, explica.

A produtora de eventos Patrícia Lima Rodopiano de Oliveira, 42 anos, só foi diagnosticada com TDAH aos 35. Para ela, foi aí que diversas questões passaram a se esclarecer. “Sempre achei que tinha algo de errado comigo, mas não sabia exatamente o quê. Eu tinha muita frustração, porque passei a vida toda começando coisas que eu não conseguia concluir. Você vê o tempo passar e não se sente realizando nada. Você sabe que poderia fazer melhor. Isso gera uma frustração que me levou a uma depressão”, relembra.

Patrícia calcula que já atuou em 17 funções ao longo da vida, muitas ligadas a profissões bastante díspares. A lista inclui professora de natação, locutora de rádio, gerente de uma rede de fast food e animadora de festas infantis. Ao fim deste ano, ela concluirá o ensino médio, que interrompeu aos 15. Já aprovada em psicologia no vestibular de uma faculdade particular do Rio de Janeiro, aguarda pelo início das aulas, no ano que vem. Há doze anos ela encontrou estabilidade como produtora de eventos, e associa isso ao fato de ser esta uma carreira bastante dinâmica, já que os eventos podem ter horários, lugares e assuntos diferentes, fazendo com que haja contato com pessoas diversas também, o que evita uma rotina. Atualmente ela atua também como voluntária da Associação Brasileira do Déficit de Atenção.

No caso de um estudante de 26 anos do curso de Administração de Empresas da Universidade de Brasília, que prefere não se identificar, o fato de ter percebido já aos 19 que tinha dificuldades de se concentrar em aulas e de se planejar para realizar todas as tarefas que tinha foi decisivo para que ele concluísse as duas graduações que fazia simultaneamente: Direito e Economia.

Na época, ele procurou um psiquiatra, começou a usar medicação e conseguiu concluir os dois cursos. Em 2010, quando iniciou o curso de Administração de Empresas, mesmo ainda usando medicamentos, voltou a ter muita dificuldade de se concentrar nas aulas, bem como de permanecer nelas. No ano seguinte, quando acumulava seis reprovações em sete das disciplinas que cursava, buscou auxílio com o Programa de Pessoas com Necessidades Especiais da UnB, pois corria o risco de jubilar, ou seja, ultrapassar o período máximo para se formar no curso. O estudante de Brasília teve que realizar novamente as disciplinas, mas desde então passou a ter a opção de ter uma hora a mais para realizar as provas, de ter correção diferenciada e de gravar as aulas, em vídeo ou apenas em áudio, para poder resgatar o conteúdo posteriormente. “Com TDAH, por exemplo, você escreve na sua folha de rascunho e só depois, quando vai olhar as anotações, você vê que elas não são confiáveis. Além de estarem bagunçadas, há informações incorretas que você anotou”, explica.

O coordenador do programa que atende alunos com perfis como este na UnB, o assistente social José Vieira, explica que já quando se inscreve para o vestibular o aluno pode informar se tem alguma dificuldade de aprendizagem que mereça atenção especial. Se ele aceitar, desde então já pode integrar o programa. Além de assistentes sociais, o serviço tem pedagogos, psicopedagogos e psicólogos. “Muitos alunos entram no programa pedindo que ninguém saiba, mas depois eles descobrem que isso é uma bobagem. Trabalhamos em conjunto com o aluno e com o professor. Cada estudante tem uma estratégia no processo educativo que tentamos incorporar”, diz Vieira.

Na Unisinos, no Rio Grande do Sul, o Núcleo de Formação Docente orienta os professores a lidarem com as necessidades dos estudantes. A coordenadora do núcleo, Mirian Dolores Baldo Dazzi, diz que os professores são informados dos alunos que se declaram com algum distúrbio de aprendizagem já antes de começarem a lecionar disciplinas a eles. A dislexia e o TDAH estão entre os mais frequentes. Para ela, um ensino atento às especificidades de cada um é uma forma de contribuir na evolução profissional. “Antes, estes sujeitos ficavam fora de contexto. Normalmente nem concluíam o ensino médio. Conforme fomos evoluindo, se percebe que eles têm inteligência e podem ser profissionais muito bem sucedidos. “Se começamos a acompanhar estes alunos e se temos um serviço que apoia o professor, este sujeito consegue se envolver e ter sucesso. Antes, eles estavam à margem”, analisa.

Tanto o diagnóstico de TDA e de TDAH quanto o de dislexia podem ser feitos por psiquiatras e neurologistas, conforme o Conselho Federal de Medicina. No caso da dislexia, o tratamento costuma ser conduzido por uma equipe multidisciplinar. Na Associação Brasileira de Dislexia, por exemplo, a equipe que acompanha os pacientes é composta de neuropsicólogos, fonoaudiólogos e psicopedagogos. Em muitos casos são necessárias terapias, como as cognitivas comportamentais, para auxiliar no entendimento e superação das dificuldades.

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade