PUBLICIDADE

Nova ministra defende "homoafetividade" discutida em aula

11 dez 2010
15h00 atualizado às 16h09
15h00 atualizado às 16h09
Publicidade
Hermano Freitas

Nova titular da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, que tem status de Ministério do governo Dilma Roussef, a deputada Maria do Rosário (PT-RS) rejeita a palavra "homossexualismo". "Remete a doença", explica. Em entrevista ao Terra por telefone de Brasília, a ministra afirmou que pretende dar incentivo à inclusão de assuntos relacionados à diversidade de gênero no projeto pedagógico das escolas, inclusive a chamada "homoafetividade". "Ela existe, assim como alunos de diferentes idades, diferentes comunidades. A palavra 'diversidade' deve estar combinada com a palavra 'respeito' e devemos criar espaços para esta prática", disse.

A professora Maria do Rosário assume a pasta deixada pelo ministro Paulo Vanucci e declarou pretender dar continuidade ao projeto do antecessor. Entre os focos principais, a proteção dos direitos das crianças, idosos e mulheres. Sobre os mais recentes episódios de violência contra homossexuais ocorridos em São Paulo, a deputada petista diz que a questão "depende de mudanças nos costumes", com "políticas culturais, educação e estímulo à convivência". Sentido de viver em comunidade e respeitar. "Nunca é uma questão primeiramente policial. Precisamos compor e fortalecer valores, compreendendo a diversidade", disse.

Apesar de reconhecer na solução do problema algo mais complexo que a simples represssão policial, Maria do Rosário afirma ser necessária uma postura firme do poder público para reprimir os atos de violência. "As autoridades precisam estar atentas, fazer o enfrentamento, principalmente de grupos marcados por sua atuação intolerante, como gangues de neonazistas", disse.

Migrantes
A ministra diz ainda que uma das preocupações do País para o futuro será a cada vez maior atratividade que exercerá como polo migratório, em função do bom desempenho econômico. De acordo com ela, a forma como os migrantes devem ser recebidos no Brasil deve ser melhor que o tratamento dispensado aos imigrantes brasileiros que foram em busca de melhores condições de vida no Exterior. "Brasileiros sempre vivenciaram as violações de direitos em outros países. Nós podemos e devemos fazer diferente em nosso País", disse.

Trajetória
A deputada federal Maria do Rosário (PT-RS), 44 anos, é natural de Veranópolis (RS). Está em seu segundo mandato na Câmara e foi filiada ao PC do B antes de ingressar no PT. Ela foi relatora da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Maria do Rosário iniciou sua carreira política como vereadora em Porto Alegre por dois mandatos, tendo sido deputada estadual por um mandato. A ministra disputou a prefeitura de Porto Alegre em 2008 e perdeu para o peemedebista José Fogaça.

Maria do Rosário foi confirmada por Dilma na última semana
Maria do Rosário foi confirmada por Dilma na última semana
Foto: Agência Câmara
Fonte: Redação Terra
Publicidade