PUBLICIDADE

Pelo menos 25 estados têm atos contra impeachment de Dilma

18 mar 2016
17h54 atualizado às 20h52
0comentários
17h54 atualizado às 20h52
Publicidade
Belo Horizonte (MG)
Belo Horizonte (MG)
Foto: EFE

Pelo menos 25 estados realizam nesta sexta-feira (18/03) manifestações em apoio à presidente Dilma Rousseff, com a maior concentração na Avenida Paulista, em São Paulo, onde o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é esperado. Com bandeiras e cartazes eles ocupam o vão-livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Manifestações pró-governo estão marcadas em mais de 30 cidades do país para esta sexta-feira, numa tentativa de demonstrar força após os protestos contrários do último domingo. As manifestações estão sendo organizadas pelo PT e pela Central Única dos Trabalhadores (CUT), além da Frente Brasil Popular, que reúne mais de 60 organizações.

"Temos um grande desafio: chegar às ruas em todo o país, no dia 18, na sexta-feira, em defesa da democracia, dos presidentes Lula e Dilma, contra o golpe e por mudanças na economia", afirmou o presidente do PT, Rui Falcão, ao convocar a militância do partido.

Em comunicado, os organizadores do ato pró-governo dizem que querem afastar a possibilidade de um golpe de Estado e demonstrar apoio às políticas sociais de Dilma. O PT confirmou a presença do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva na manifestação em São Paulo, marcada para as 16h (hora local).

Recife (PE)
Recife (PE)
Foto: Pablo Kennedy / Futura Press

Rio de Janeiro

A manifestação contra o impeachment da presidenta Dilma Rousseff reúne neste momento manifestantes na Praça XV, no centro do Rio, que carregam faixas e bandeiras com mensagens de diversos setores da sociedade. Muitas defendem a permanência da presidenta Dilma Rousseff e apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Ministro Lula estamos com você". Outras pedem ainda a saída da presidência da Câmara, o deputado Eduardo Cunha. # Fora Cunha # Fica Dilma.

A servidora pública, Marisa Justino, 55 anos, do coletivo da Unegro LGBT do Rio de Janeiro disse que o grupo participa com 15 integrantes, mas outros estão a caminho. "Estamos aqui para garantir a governabilidade da presidente. Ela venceu nas urnas e precisamos garantir a governabilidade de um país democrático. Aqui, a gente não está por conta de partido, nem por conta de candidato e nem por conta de político. O nosso principal motivo hoje é garantir a democracia que está sendo amaçada", disse.

Para a atriz Letícia Sabatella, que participa do ato, a pauta comum neste momento é lutar pela democracia e combater a corrupção, mas não a que atinge apenas um grupo. "Vamos fazer uma reforma política, vamos lutar por esta reforma para que a gente limpe todos os focos de corrupção. E não apenas pegar um bode expiatório e dizer que esse é o grande corrupto. Vamos olhar onde está a corrupção, ver porque ela existe e porque o sistema funciona desta maneira", afirmou.

Rio de Janeiro (RJ)
Rio de Janeiro (RJ)
Foto: EFE

Segundo o diretor do sindicato de petroleiros do Norte Fluminense (Sundipetro-NF), Tadeu Brito, disse que petroleiros de Campos e Macaé também está na manifestação. Ele trabalha na plataforma P-55, e disse acreditar que, "além de um ataque ao governo federal, há um ataque aos trabalhadores. Hoje é a defesa de um projeto eleito há 13 anos".

O tenente coronel Wagner, comandante do 5* BPM, que está à frente do esquema de segurança, disse que estão no local policiais de quatro batalhões, além da 1* Companhia Independente da Polícia Militar. Ele calculou que havia duas mil pessoas no local por volta das 17h. O número de pessoas que chegam é grande e a expectativa dos organizadores é ampliar esse número ao fim do expediente de trabalho. "Além dos que estão aqui, temos esquema na Assembleia Legislativa, no Tribunal de Justiça e na Cinelândia. São outros apoios que estão nestes pontos principais. Temos a Polícia de Choque, mas só para casos de necessidade, mediante a acionamento, para ajudar na dispersão", informou.

De acordo com o coronel, logo no início, houve bate boca entre três militantes contra o governo que estavam na porta da Alerj, mas tudo foi contornado. "Alguns manifestantes que passavam por aqui se sentiram afrontados, e nós conversamos com os três, e eles se retiraram sem reclamar e sem promover qualquer tipo de ofensa. E não houve mais nenhum tipo de problema."

No meio dos manifestantes, um grupo de quatro turistas holandeses queria saber o que estava acontecendo. O guia de turismo Johannes Hofstee, disse que estava explicando a eles o momento político do Brasil. Ele contou que as duas mulheres e dois homens do sul da Holanda já conheciam a figura política de Lula e que estavam achando interessante a manifestação popular.

Teresina (PI)
Teresina (PI)
Foto: Raoni Barbosa / Futura Press

Salvador

Militantes, estudantes, centrais sindicais e movimentos sociais da Bahia realizam um ato contra o impeachment em Salvador desde o início da tarde de hoje."Não vai ter golpe" é uma das frases mais repetidas nas vozes e cartazes de mais de 50 mil pessoas, de acordo com números da Polícia Militar, que acompanha a passeata. Do Campo Grande, região central da cidade, as pessoas seguem em direção à  Praça Castro Alves, onde o evento será encerrado.

Bandeiras de movimentos sociais e frentes populares, cartazes e faixas são levados pelos manifestantes que se vestem, em sua maioria, de vermelho e branco. Entre as palavras de ordem, algumas em apoio ao governo da presidenta Dilma Rousseff, contra o impeachment e também contra o juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância.

Estudante de Serviço Social da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Lilian Oliveira informou que participa da manifestação para mostrar o poder do movimento feminista na luta. "Sabemos que, sem democracia, as primeiras a sofrer e ser violentadas seremos nós [mulheres]. Sem democracia, não se conquista direitos", acrescentou Lilian, de 32 anos, que integra a Marcha Mundial das Mulheres.

Representantes de movimentos sociais vieram de cidades do interior do estado para participar do evento. Maria da Graça Brito é remanescente do Quilombo Tabuleiro da Vitória, da cidade de Cachoeira, no Recôncavo Baiano. Segundo ela, é importante as mulheres negras estarem "lutando pela democracia".

"Temos uma história de resistência e uma dívida histórica do Brasil conosco. Estamos aqui para mostrar que podemos e sabemos lutar pela democracia, que está sendo ameaçada o tempo todo. Estamos mobilizados para não permitir arbitrariedades e a derrubada de uma mulher eleita democraticamente", afirmou Maria da Graça.

Acompanhando a "passeata pela democracia", como denominam os organizadores, um trio elétrico carrega bandeiras do Brasil e da Central Única dos Trabalhadores (CUT). "Hoje é dia de festa para a democracia, porque a população brasileira quer defender o país e quer que continue a distribuição de renda e a inclusão social. As pessoas vieram dizer sim à democracia e não ao golpe. São homens, mulheres, trabalhadores e trabalhadoras,  jovens e crianças dizendo não ao golpe", informou o presidente da CUT na Bahia, Cedro Silva.

Adesivos com a frase "Nao ao golpe" e máscaras satirizando o juiz Sérgio Moro (que aparece com um nariz de tucano, em referência ao PSDB) foram distribuídos entre os manifestantes, que seguem a caminhada cantando e tocando tambores.

Durante o percurso, na Avenida Sete de Setembro, estudantes e integrantes da Frente Popular da Juventude realizaram um jogral, encerrado com a frase "Dizemos não ao golpe e seguiremos em marcha".

Maceió (AL)
Maceió (AL)
Foto: Itawi Albuquerque / Futura Press

Brasília

Manifestantes a favor do governo Dilma Rousseff e contra o processo de impeachment que está sendo apreciado pelo Congresso Nacional se reúnem na tarde de hoje (18) no Museu da República, no início da Esplanada dos Ministérios. O ato é organizado pela Frente Brasil Popular, e os manifestantes levam cartazes com frases de apoio à Dilma e ao ex-presidente – e agora ministro da Casa Civil – Luiz Inácio Lula da Silva e contra o que chamam de “golpe”.

A estimativa da Polícia Militar, às 17h15, era 500 pessoas. Às 17h50, no entanto, um grande grupo de militantes ligados ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra chegou ao museu.

Rodrigo Rodrigues, secretário-geral da Central Única dos Trabalhadores do Distrito Federal (CUT-DF) defende um trabalho mais abrangente do Congresso e que as discussões sobre o impeachment fiquem em segundo plano. "Esse é um ato em defesa da democracia, contra o golpismo e o fascismo que está explodindo no país. Estamos defendendo a mudança de discurso no Congresso, que pare de discutir só o golpe e que encaminhe avanços nos direitos da classe trabalhadora", disse.

O servidor público Pedro Rodrigues, 50, acha que Lula está sofrendo uma “injustiça”. “O que me trouxe aqui foi ver a injustiça que está sendo feita com o companheiro Lula. Não estão dando direito de defesa para ele”.

Pedro de Alcântara, servidor público, 69, disse que veio para a rua defender a democracia e questiona a integridade política da oposição no Congresso. "Acho que temos que defender a democracia e contra o impeachment, que não vai resolver. Quem está errado tem que pagar, mas do lado de lá, sabemos o que eles fazem", disse.

Para Alcântara, se houver provas de que Lula cometeu algum crime, que a justiça seja feita. "Sobre o Lula eu tenho dúvidas (se ele é culpado de algum crime), se ele tiver culpa, que se apure, que venha à tona".

Florianópolis (SC)
Florianópolis (SC)
Foto: Marcelo Bittencourt / Futura Press

 

Com informações da Deutsche Welle.

 

Agência Brasil Agência Brasil
Publicidade
Publicidade