3 eventos ao vivo

PF faz operação contra fraudes em fundos de pensão

5 set 2016
09h00
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
O ex-diretor da OAS, Léo Pinheiro, chega à sede da Polícia Federal, em São Paulo (SP), após ser alvo de condução coercitiva durante a Operação Greenfield, deflagrada na manhã desta segunda-feira (5). A operação que investiga irregularidades em quatro dos maiores fundos de pensão do país, todos ligados a estatais. Os desvios são estimados em pelo menos R$ 8 bilhões
O ex-diretor da OAS, Léo Pinheiro, chega à sede da Polícia Federal, em São Paulo (SP), após ser alvo de condução coercitiva durante a Operação Greenfield, deflagrada na manhã desta segunda-feira (5). A operação que investiga irregularidades em quatro dos maiores fundos de pensão do país, todos ligados a estatais. Os desvios são estimados em pelo menos R$ 8 bilhões
Foto: N.M/Futura Press

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta segunda-feira (5) a Operação Greenfield, que investiga crimes de gestão temerária e fraudulenta em quatro dos maiores fundos de pensão do país: Funcef, Petros, Previ e Postalis. A operação conta com o auxílio técnico do Ministério Público Federal, da Superintendência Nacional de Previdência Complementar e da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

O ex-diretor da construtora OAS, Léo Pinheiro, foi encaminhado à sede da Polícia Federal, em São Paulo, após ser alvo de condução coercitiva. 

Ao todo, 560 policiais federais cumprem 127 mandados judiciais expedidos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Paraná, Santa Catarina e Amazonas, além do Distrito Federal. A Justiça determinou ainda o seqüestro de bens e o bloqueio de ativos e de recursos em contas bancárias de 103 pessoas físicas e jurídicas que são alvos da operação, no valor aproximado de R$ 8 bilhões.

De acordo com a PF, as investigações começaram a partir de dez casos investigados que revelaram déficits bilionários nos fundos de pensão. Entre os dez casos, oito são relacionados a investimentos realizados de forma temerária ou fraudulenta pelos fundos de pensão, por meio dos FIPs (fundos de Investimentos em Participações).

Durante as investigações, foram identificados um núcleo empresarial, um núcleo dirigente de fundos de pensão, um núcleo de empresas avaliadoras de ativos e um núcleo de gestores e administradores dos FIPs.

Os investigados responderão por gestão temerária ou fraudulenta, além de outros crimes contra o Sistema Financeiro Nacional, previstos na Lei nº 7.492/86.

Veja também:

Flagrado com dinheiro na cueca, Chico Rodrigues pede afastamento do Senado por 90 dias
Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade