1 evento ao vivo

Polícia turca usa gás lacrimogêneo brasileiro contra manifestantes, diz ONG

4 jun 2013
15h13
atualizado às 15h23
  • separator
  • comentários

Gás lacrimogêneo produzido no Brasil tem sido usado pela polícia turca para dispersar manifestantes que ocupam as ruas de cidades da Turquia, em protestos recentes. A informação foi confirmada pela organização não governamental (ONG) Anistia Internacional, que informou que latas de gás usadas contra manifestantes tinham a inscrição "made in Brazil" (feito no Brasil). Gases produzidos em outros países também foram usados, segundo a ONG.

<p>Segundo ONG, polícia turca usa gás lacrimogêneo brasileiro contra manifestantes em protestos no país</p>
Segundo ONG, polícia turca usa gás lacrimogêneo brasileiro contra manifestantes em protestos no país
Foto: AFP

O professor da Universidade Federal Fluminense (UFF), Christopher Gaffney, que foi à Turquia participar de um congresso de arquitetura, estava na praça Taksim, em Istambul, durante conflito em que os manifestantes foram atingidos por latas do gás brasileiro.

"Quando cheguei a Istambul no sábado, era um cenário de confusão total. A polícia lançava o gás com uma espingarda. Também ouvi falar sobre helicópteros que estavam sobrevoando a área e jogando as latas do alto. Eu vi pessoas feridas com o impacto e houve caso de uma pessoa que perdeu um olho quando foi atingida na cabeça. (As latas) têm a marca da bandeira brasileira, o que não deve dar uma impressão muito boa para os turcos", disse Gaffney.

A Anistia Internacional condenou o uso de gás lacrimogêneo contra os manifestantes. "Canhões de água e gás lacrimogêneo não deveriam ser usados contra manifestantes pacíficos. Estamos particularmente preocupados com o uso de gás lacrimogêneo em ambientes confinados, que representa um grande risco para a saúde", disse o diretor da Anistia Internacional para Europa e Ásia Central, John Dalhuisen, em comunicado divulgado nesta segunda-feira.

A atuação da polícia turca contra manifestantes foi criticada pelo Alto Comissariado das Nações Unidas para os Direitos Humanos, que pediu hoje às autoridades daquele país que investiguem abusos cometidos pelos agentes. O próprio primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Ergodan, admitiu que houve "erros, excessos na resposta da polícia".

A empresa Condor Tecnologias Não-Letais, sediada na Baixada Fluminense, confirmou que fornece gás lacrimogêneo para a polícia turca e que é a única fornecedora brasileira desse tipo de armamento para a Turquia.

Segundo a assessoria de imprensa da Condor, há uma recomendação das Nações Unidas para que polícias de todo mundo usem equipamentos desse tipo, já que armas não letais reduzem as possibilidades de morte em confrontos. Ainda de acordo com a empresa, os compradores são treinados e orientados a usar corretamente o equipamento.

No final de 2011, ativistas já haviam relatado que gás lacrimogêneo brasileiro estava sendo usado contra manifestantes no Bahrein, uma monarquia árabe localizada no Golfo Pérsico. A Condor informou que negocia esses equipamentos com vários países, mas que nunca vendeu-os para o Bahrein. De acordo com a empresa, naquela ocasião, o equipamento foi provavelmente usado por tropas de outros países árabes que são clientes da empresa brasileira e ajudaram o governo baremita.

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade