0

Operação Lava Jato mantém 39 presos; veja lista completa

Último a integrar a lista, Jorge Luiz Zelada foi preso na quinta-feira, 2 de julho

6 jul 2015
08h56
atualizado em 9/7/2015 às 21h15
  • separator
  • comentários

Substituto de Nestor Cerveró como diretor da área internacional da Petrobras, Jorge Luiz Zelada teve prisão preventiva decretada na última quinta-feira, dia 2 de julho. Segundo o Ministério Público, ele teve uma conta de 10 milhões de euros bloqueada em Mônaco. Iniciada em março de 2014, a Operação Lava Jato, da Polícia Federal, investiga um esquema de corrupção envolvendo a Petrobras e algumas das maiores empreiteiras do Brasil. Políticos e empresários foram presos acusados de pagamento de propinas para partidos em troca de fraudes em licitações da estatal.

Siga Terra Notícias no Twitter

Políticos com foro privilegiado devem ser julgados pelo Supremo Tribunal Federal, e os que não o possuem, como presidentes ou tesoureiros de partido e de empresários, têm seus casos analisados na 13ª Vara da Justiça Federal do Paraná. O responsável pelas ações penais é o juiz Sérgio Moro, que já julgou e condenou sete pessoas, além de dar ordem para 32 prisões preventivas até esta sexta-feira, 3 de julho.

Diferentes das prisões temporárias, as prisões preventivas não possuem prazo de soltura.

Confira quem ainda está preso pelo processo da Lava Jato.

1. Alberto Youssef (condenado)
Preso na Polícia Federal
Preso de 17 de março de 2014 a março de 2017

O doleiro foi preso na primeira fase da ação da Polícia Federal, em 17 de março de 2014, acusado de comandar o sistema de lavagem de dinheiro, movimentando mais de R$ 10 milhões. Após ser descoberto, Youssef fez um acordo de delação premiada, acusando outros envolvidos e explicando como funcionava o esquema. Ele já havia feito um acordo semelhante no escândalo do Banestado, em 2004. Com o novo processo, o acordo anterior perdeu os benefícios da delação, e ele foi condenado no dia 17 de setembro de 2014 a cumprir quatro anos e quatro meses de prisão em virtude do primeiro caso. Já pela Lava Jato, Youssef foi condenado, no dia 6 de maio de 2015, a cinco anos de prisão em regime fechado. Com o novo acordo de delação, o juiz Sérgio Moro determinou que o condenado cumprirá três anos, depois passará para o regime aberto. O tempo em que esteve preso antes do julgamento é calculado no período de reclusão.

O doleiro Alberto Youssef foi condenado no dia 6 de maio de 2015
O doleiro Alberto Youssef foi condenado no dia 6 de maio de 2015
Foto: Roger Pereira / Especial para Terra

2. Paulo Roberto Costa (condenado)
Prisão domiciliar
Preso de 1º de outubro de 2014 a 1º de outubro de 2015
Regime semiaberto de 1º de outubro de 2015 a 1º de outubro de 2016
Regime aberto de 1º de outubro de 2016 a novembro de 2021

Ex-diretor de refino e abastecimento da Petrobras, Costa passou a ser investigado pela Polícia Federal após ganhar um carro de luxo de Youssef. Ele foi condenado a sete anos e seis meses de prisão por lavagem de dinheiro e organização criminosa. A progressão da pena foi ajustada pelo acordo de delação premiada, e o período que esteve preso antes, de 20 de março a 18 de maio de 2014 e  de 11 de junho a 30 de setembro de 2014, também são descontados.

Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, em depoimento na CPI da Petrobras, em 05 de maio
Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, em depoimento na CPI da Petrobras, em 05 de maio
Foto: Lúcio Bernardo Jr / Câmara dos Deputados

3. Nestor Cerveró (condenado)
Complexo Médico Penal
Preso de 14 de janeiro de 2015 a janeiro de 2020

Condenado a  cinco anos de prisão, em 25 de maio de 2015, Cerveró foi diretor da área internacional da Petrobras entre 2003 e 2008. A condenação é referente à lavagem de dinheiro na compra de uma apartamento de R$ 7,5 milhões que teria sido pago com propina. Ele ainda é réu em um processo no qual é suspeito de receber R$ 30 milhões em propina.

Cerveró foi diretor da área internacional da Petrobras entre 2003 e 2008
Cerveró foi diretor da área internacional da Petrobras entre 2003 e 2008
Foto: Wikipédia

4. Renato Duque
Complexo Médico Penal
Preso em 16 de março de 2015

Renato Duque foi diretor de engenharia e serviços da Petrobras. Ele é acusado de participar do esquema de fraude em licitações e de repassar parte da propina ao Partido dos Trabalhadores. É réu em um processo por corrupção, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Renato Duque foi diretor de engenharia e serviços da Petrobras
Renato Duque foi diretor de engenharia e serviços da Petrobras
Foto: Cassiano Rosário / Futura Press

5. João Vaccari Neto
Complexo Médico Penal
Preso em 14 de abril de 2015

Bancário e tesoureiro nacional do PT, Vaccari é acusado de lavar dinheiro de propinas para o partido. Segundo Youssef, um contrato da Petrobras com a Toshiba, no Complexo Químico do Rio de Janeiro, teria rendido R$ 800 mil ao PT, que teriam sido recebidos por Vaccari. O tesoureiro também teria exigido R$ 10 milhões em propina da empreiteira Camargo Corrêa, em doações oficiais.

Em depoimento à CPI da Petrobras, João Vaccari Neto disse que todas as doações recebidas pelo PT foram legais
Em depoimento à CPI da Petrobras, João Vaccari Neto disse que todas as doações recebidas pelo PT foram legais
Foto: Agência Brasil

6. Pedro Correa
Complexo Médico Penal
Preso em 5 de dezembro de 2013, no processo do mensalão

Condenado a sete anos e dois meses de prisão, no processo do Mensalão, o ex-deputado do Partido Progressista é suspeito de ter recebido R$ 5,3 milhões em propinas no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras. Correa cumpria pena no regime semiaberto, em Pernambuco, quando teve prisão preventiva decretada e foi transferido para o Paraná, em 13 de abril de 2015.

Pedro Corrêa é suspeito de ter recebido R$ 5,3 milhões em propinas no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras
Pedro Corrêa é suspeito de ter recebido R$ 5,3 milhões em propinas no esquema de corrupção envolvendo a Petrobras
Foto: Antonio Cruz / Agência Brasil

7. Luiz Argôlo
Complexo Médico Penal
Preso em 10 de abril de 2015

Ex-deputado federal pelo Solidariedade, Argôlo é acusado de peculato, lavagem de dinheiro, organização criminosa e corrupção. Ele teve o mandato cassado em outubro de 2014, o que lhe tirou o foro privilegiado e permitiu sua prisão em abril de 2015.

Ex-deputado federal Luiz Argôlo
Ex-deputado federal Luiz Argôlo
Foto: Gustavo Lima / Agência Câmara

8. Marcelo Bahia Odebrecht
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

Presidente da Odebrecht, uma das maiores empreiteiras do Brasil, Marcelo Odebrecht foi preso em casa, no Morumbi, bairro nobre de São Paulo. É acusado de ser um dos líderes do grupo de empresas que participava do esquema de fraudes na Petrobras.

Presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht foi preso em 19 de junho de 2015
Presidente da Odebrecht, Marcelo Odebrecht foi preso em 19 de junho de 2015
Foto: (Reuters)

9. Dario de Queiroz Galvão Filho
Prisão domiciliar
Preso em 27 de março de 2015

O diretor-presidente e membro do conselho de administração do Grupo Galvão foi preso em casa, em São Paulo. Ele seria o mandante dos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ocorridos na empresa. O Grupo Galvão teria firmado contratos que somam R$4 milhões com as empresas de Youssef.

10. Ricardo Ribeiro Pessoa
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

Apontado como um dos líderes do grupo de empresas envolvidas nas fraudes da Petrobras. Em delação premiada, o empresário teria dito que a UCT doou R$7 milhões para a campanha de reeleição da presidente Dilma, temendo perder negócios com a estatal.

Ex-presidente da UTC é apontado como um dos líderes do cartel de empreiteiras
Ex-presidente da UTC é apontado como um dos líderes do cartel de empreiteiras
Foto: Reprodução

11. Jorge Luiz Zelada
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 2 de junho de 2015

Jorge Luiz Zelada teve uma conta de 10 milhões de euros bloqueada em Mônaco, segundo o Ministério Público
Jorge Luiz Zelada teve uma conta de 10 milhões de euros bloqueada em Mônaco, segundo o Ministério Público
Foto:

12. Nelma Mitsue Penasso Kodama (condenada)
Carceragem da Polícia Federal
Presa de 15 de março de 2015 a março de 2033

Doleira Nelma Kodama, durante depoimento aos parlamentares  da CPI da Petrobras, em Curitiba
Doleira Nelma Kodama, durante depoimento aos parlamentares da CPI da Petrobras, em Curitiba
Foto: Roger Pereira / Especial para Terra

13. Carlos Habib Chater (condenado)
Casa de Custódia de São José dos Pinhais
Preso de 17 de março de 2014 a outubro de 2018

14. Rene Luiz Pereira (condenado)
Casa de Custódia de São José dos Pinhais
Preso de 17 de março de 2014 a março de 2028

15. Iara Galdina da Silva (condenada)
Carceragem da Polícia Federal
Presa de 2 de fevereiro de 2015 a novembro de 2026

16. Maria de Fátima Stocker
Presa pela Interpol na Espanha
Presa em 20 de janeiro de 2014

17. Fernando Soares (Fernando Baiano)
Complexo Médico Penal
Preso em 22 de novembro de 2014

O lobista Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, deixando a sede da Polícia Federal em Curitiba (PR) na manhã desta sexta-feira (13)
O lobista Fernando Soares, mais conhecido como Fernando Baiano, deixando a sede da Polícia Federal em Curitiba (PR) na manhã desta sexta-feira (13)
Foto: Vagner Rosário / Futura Press

18. Márcio Frederico Mendonça Góes
Complexo Médico Penal
Preso em 19 de junho de 2015

19. Adir Assad
Complexo Médico Penal
Preso em 16 de março de 2015

20. Guilherme Esteves de Jesus
Complexo Médico Penal
Preso em 27 de março de 2015

21. André Vargas
Complexo Médico Penal
Preso em 10 de abril de 2015

Deputado federal licenciado André Vargas
Deputado federal licenciado André Vargas
Foto: Gustavo Lima / Agência Câmara

22. Ricardo Hoffmann
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 10 de abril de 2015

23. Milton Pascowitch
Carceragem de Polícia Federal
21 de maio de 2015

Lobista Milton Pascowitch disse a Polícia Federal que intermediou o pagamento de propina ao PT e ao ex-ministro José Dirceu para garantir contratos da empreiteira Engevix com a Petrobras
Lobista Milton Pascowitch disse a Polícia Federal que intermediou o pagamento de propina ao PT e ao ex-ministro José Dirceu para garantir contratos da empreiteira Engevix com a Petrobras
Foto: Vagner Rosario / Futura Press

24. Rogério Santos Araújo
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

25. Márcio Faria da Silva
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

26. César Ramos Rocha
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

27. Élton Negrão de Azevedo Júnior
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

28. Otávio Marques de Azevedo
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

29. João Antônio Bernardi Filho
Carceragem da Polícia Federal
Preso em 19 de junho de 2015

30. Gérson de Mello Almada
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

31. Agenor Franklin Magalhães Medeiros
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

32. José Adelmiro Pinheiro Filho
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

33. José Ricardo Nogueira Breghirolli
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

34. Mateus Coutinho de Sá Oliveira
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

35. Erton Medeiros Fonseca
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

36. Sérgio Cunha Mendes
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

37. Dalton dos Santos Avancini
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

38. Eduardo Hermelito Leite
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

39. João Ricardo Auler
Prisão domiciliar
Preso em 14 de novembro de 2014

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade