3 eventos ao vivo

Cientistas descobrem 'Superterra' que pode concentrar busca por vida

19 abr 2017
15h48
atualizado às 15h57
  • separator
  • comentários

Um planeta recém-descoberto pode se tornar o novo local predileto na busca por sinais de vida fora do nosso Sistema Solar.

O planeta LHS 1140b, se situa na órbita da estrela anã vermelha LHS 1140
O planeta LHS 1140b, se situa na órbita da estrela anã vermelha LHS 1140
Foto: ESO/spaceengine.org / BBCBrasil.com

Situado a 40 anos-luz de distância, na órbita de uma estrela anã vermelha menor e mais fria que o Sol, o LHS 1140b é maior e tem muito mais massa que a Terra - não por acaso, tem sido chamado pelos cientistas de "Superterra".

Segundo os astrônomos, o planeta provavelmente retém boa parte de sua atmosfera - o que o torna um alvo interessante para futuros estudos.

A descoberta foi feita com a ajuda do Observatório de Genebra, na Suíça, e do Observatório de La Silla, no Chile, entre outros. Os resultados serão publicados na edição da revista científica Nature desta quinta-feira.

De acordo com Jason Dittmann, pesquisador do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, em Cambridge (Massachusetts, EUA) e autor principal do estudo, trata-se do planeta "mais interessante que descobrimos na última década".

"Não podíamos desejar um alvo melhor para realizar uma das maiores buscas da ciência - a procura por vida fora da Terra", afirmou.

Menos radiação

De acordo com outro integrante da equipe de pesquisadores, Nicola Astudillo-Defru, do Observatório de Genebra, na Suíça, a estrela anã vermelha LHS 1140 gira mais lentamente e emite menos radiação de alta energia que outras estrelas semelhantes.

Para existir vida tal como a conhecemos, um planeta precisa de água em sua superfície e de uma atmosfera. Um problema é que, quando jovens, as anãs vermelhas emitem uma radiação que pode prejudicar as atmosferas dos planetas em sua órbita.

A estrela anã vermelha LHS 1140 gira mais lentamente e emite menos radiação de alta energia que outras estrelas semelhantes
A estrela anã vermelha LHS 1140 gira mais lentamente e emite menos radiação de alta energia que outras estrelas semelhantes
Foto: M. Weiss/CfA / BBCBrasil.com

No caso descoberto agora, porém, cientistas desconfiam que o planeta possa ter possuído um oceano de magma no passado - a lava fervente pode ter alimentado a atmosfera com vapor depois que a estrela passou a emitir brilho constante.

Essas condições assegurariam que o planeta tenha água.

Os pesquisadores envolvidos na descoberta do LHS 1140b estimam que ele tenha pelo menos 5 bilhões de anos de idade e calcularam que seu diâmetro tem quase 18 mil km - 1,4 vezes mais do que a Terra. Já a massa é em torno de sete vezes maior.

A grande densidade do planeta indica que ele deve ser rochoso e ter um núcleo de ferro.

Agora, o telescópio espacial Hubble, da Nasa, irá observar o planeta recém-descoberto para medir exatamente quanta radiação de alta energia ele recebe. Isso é importante para saber mais sobre a eventual capacidade que o planeta tem de suportar vida.

Outros telescópios poderão, no futuro, fazer observações detalhadas das atmosferas de planetas distantes - quando isso acontecer, diz a equipe de cientistas, o LHS 1140b é um candidato excepcional para tais estudos.

BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade