2 eventos ao vivo

Taxista é preso em BH após confundir carro da PM com Uber

25 jul 2016
08h56
  • separator
  • comentários

Um taxista foi preso no início da noite deste domingo (24) em Belo Horizonte depois de provocar uma colisão entre o carro em que ele dirigia e um veículo oficial da Polícia Militar. O taxista não teve a identidade divulgada e foi detido depois de confundir um carro do gabinete militar do Governo do Estado com um veículo semelhante aos usados, em grande maioria, por motoristas do aplicativo. No veículo oficial descaracterizado seguiam um soldado e um major.

Segundo a Polícia Militar, o taxista fez manobras bruscas como forma de intimidar o que para ele seria um motorista Uber. Ao passar pela avenida Antônio Carlos, no bairro Cachoeirinha, Região Nordeste da capital mineira, o taxista ultrapassou o carro da PM pela direita e freou bruscamente afim de provocar a batida em sua traseira. O soldado que dirigia o veículo confundido evitou a batida atrás e se chocou levemente na lateral do táxi. Em seguida o causador da confusão fugiu pela via e, com o auxílio de mais uma equipe policial iniciaram um perseguição.

Depois de outra colisão entre os dois veículos os policiais abordaram o taxista e o prenderam já no bairro Lagoinha, região Noroeste de Belo Horizonte. No carro os policiais encontraram uma pequena quantidade de maconha e o prenderam por dano, direção perigosa e posse de entorpecente. Sua carteira de habilitação foi recolhida pelos policiais e o táxi rebocado para o pátio do Departamento de Trânsito de Minas Gerais.

O presidente do Sindicato dos Taxistas de Belo Horizonte, Ricardo Faedda, pediu desculpas pela categoria à Polícia Militar e repudiou o fato. Ele considera que não é por meio de ações como esta que a categoria deve combater o que ele classifica de transporte clandestino.

De novo

Esta não é a primeira vez que taxistas de Belo Horizonte confundem veículos nas vias da capital com os carros usados por motoristas do Uber. Há pouco menos de um ano o motorista do deputado federal Laudívio Carvalho (PMDB-MG) foi cercado por taxistas enquanto buscava o parlamentar na cidade de Nova Lima, na Região Metropolitana da capital.

A ironia neste caso foi que Carvalho apresentou um projeto de lei na Câmara Federal justamente proibindo o uso de aplicativos de carona remunerada no Brasil.

Em todo o País inúmeros casos de agressões tem sido registrados de grupos de taxistas a motoristas Uber.  No fim de junho, em Curitiba (PR), um motorista do aplicativo foi cercado por taxistas enquanto passava por uma avenida da capital paranaense. Ele foge depois de bater e quase atropelar os agressores.

Regulamentação do Uber em BH

Também no mês passado a Justiça de Minas Gerais decidiu serem inconstitucionais as leis municipais 10.900/2016 e 10.309/2011. Os textos tratam sobre o aplicativo de carona remunerada e a proibição de transporte clandestino. No entendimento do juiz Rinaldo Kennedy Silva, da 2ª Vara da Fazenda Pública municipal a Prefeitura de Belo Horizonte não tem poder de editar normas de competências da União.

Com a decisão, agentes municipais estão proibidos de agir baseados nesses dois decretos sob pena de multas diárias que variam de R$ 1 mil a R$ 50 mil e ainda ação de improbidade administrativa por descumprimento de ordem judicial. Os decretos editados pela Prefeitura de Belo Horizonte estabeleciam multas de R$ 1.500 aos motoristas do Uber e retenção do veículo por 15 dias, entretanto, nenhum motorista do aplicativo foi multado ou teve o veículo retido em função de uma liminar.

Fonte: Especial para Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade