0

Novo incêndio em Paraisópolis atinge pelo menos 30 moradias

10 mar 2017
12h11
atualizado às 14h30
  • separator
  • comentários

Famílias vítimas do incêndio que aconteceu hoje (10) na Favela de Paraisópolis, que destruiu 30 barracos, lamentam não ter conseguido salvar seus pertences e até mesmo animais de estimação. Esse é o segundo incêndio na comunidade em menos de dez dias.

No dia 1º de março, 50 barracos foram atingidos pelo fogo que começou às 13h44. Uma vítima foi socorrida depois de inalação fumaça.
No dia 1º de março, 50 barracos foram atingidos pelo fogo que começou às 13h44. Uma vítima foi socorrida depois de inalação fumaça.
Foto: Uriel Punk / Futura Press

O Corpo de Bombeiros trabalha no combate às chamas desde as 10h20. Atualmente, cerca de 100 mil famílias vivem em toda a comunidade, que é considerada a segunda maior da capital paulista, atrás de Heliópolis. Não há informações sobre feridos.

A auxiliar de limpeza Antônia Neves da Silva, de 42 anos, estava se arrumando para sair, por volta das 10h, quando o fogo começou. "Escutei o povo gritando na viela que tinha fogo. Quando eu fui ver, o fogo já estava chegando ao meu barraco. Tentei salvar meus bichinhos, meus três gatos, mas não consegui. Um eu achei queimado, já levei ao veterinário, agora estou procurando os outros dois", contou.

Antônia morava no barraco há cinco anos com o marido, que não estava em casa no momento do incêndio. "A única coisa que consegui salvar foi minha bolsa. Estou na rua. Só Deus sabe o meu destino agora", disse.

Ainda machucado do último incêndio no dia 1º de março em Paraisópolis, o ajudante de pedreiro Cleiton Joan Santos, de 26 anos, perdeu a segunda casa atingida pelas chamas na comunidade. "Eu acabo de perder meus dois barracos, agora estou com dois filhos na rua, sem lugar para ir."

No outro incêndio, Santos tentava salvar amigos quando um barraco desabou sobre ele. O ajudante de pedreiro sofreu ferimentos no rosto e peito. Há cinco anos, Santos mora em São Paulo, vindo no Nordeste em busca de uma vida melhor.

Também morador da comunidade, Martins Xavier, de 17 anos, contou que perdeu seu barraco durante o outro incêndio em Paraisópolis. "Ninguém teve tempo de salvar nada". Solidário aos vizinhos que também perderam seus pertences no atual incêndio, ele decidiu organizar uma lista de desabrigados para encaminhar ao Poder Público.

Veja também

Agência Brasil Agência Brasil

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade