PUBLICIDADE

BA: juiz determina que jovem que bateu carro em igreja vá a missa

19 jul 2011
18h54 atualizado às 19h02
18h54 atualizado às 19h02
Publicidade

Maria Clara Dultra
Direto de salvador

Um jovem de 18 anos que dirigia sem Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e bateu em uma igreja em Maracás, sudoeste da Bahia, recebeu uma recomendação inusitada: frequentar missas dominicais durante um mês. A ordem judicial foi expedida na semana passada pelo juiz José Brandão Netto, da comarca local, e cumprida, pela primeira vez, no domingo.

Em janeiro de 2011, Diego Martins de Novaes, à época com 17 anos, perdeu o controle do veículo que dirigia e colidiu contra o muro de uma igreja. Segundo o magistrado, a pena para esse tipo de infração varia de uma simples advertência até três anos de internação em unidades de adolescentes em conflito com a lei. Para Novaes, além da recomendação, o juiz determinou o pagamento de R$ 100 pelos prejuízos.

"Não estou querendo com essa medida vinculá-lo forçosamente a nenhuma religião. Apenas acredito que a religião traz o indivíduo para o bem e, como o próprio adolescente declarou que é católico, eu sugeri que ele frequentasse a missa", afirmou Brandão.

O cumprimento da recomendação será fiscalizado pelos padres. "No entanto, se ele não cumprir, não estou prevendo nenhuma punição, já que trata-se de uma recomendação, e não de uma condenação."

Toque de Acolher
Em junho deste ano, a cidade de Maracás ganhou destaque na imprensa baiana por outra determinação do magistrado José Brandão, o Toque de Acolher. A ordem judicial, também implantada nas cidades baianas de Santo Estevão e Planaltino, estabelece horário de permanência de crianças e adolescentes nas ruas das cidades de sua jurisdição. Crianças sozinhas de até 12 anos podem permanecer nas ruas até as 20h; adolescentes de 13 a 15 anos, até as 22h; e os jovens de 16 e 17 anos, até as 23h.

Só nesse fim de semana, 40 adolescentes foram levados para o Juizado de Infância e Adolescente por descumprimento da portaria judicial, conforme prevê o artigo 249 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). Os pais de dois deles serão processados e multados em valor que varia de três a 20 salários mínimos porque os jovens são reincidentes.

A fiscalização do cumprimento da medida é feita através de rondas noturnas dos Comissários da Infância, da Polícia Militar e da Guarda Municipal de Maracás. Segundo informações do Conselho Tutelar da cidade, após a implantação do Toque de Acolher, houve redução de 75% do número de adolescentes que consumiram bebida alcoólica em relação ao mês de junho 2010.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade