2 eventos ao vivo

Acidente de helicóptero na BA choca alta sociedade carioca

19 jun 2011
07h42
atualizado às 11h11
  • separator
Bruno Astuto

O acidente com o helicóptero que caiu na noite de sexta-feira em Porto Seguro (BA), com sete pessoas a bordo, deixou de luto a alta sociedade carioca e motivou manifestações de solidariedade às famílias das vítimas da tragédia.

A bordo do helicóptero estavam Mariana Fernandes Noleto, namorada de um dos filhos do governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral; Jordana Kfuri e seu filho Luca Kfuri de Magalhães Lins, 3 anos; a irmã de Jordana, Fernanda Kfuri, 35 anos, e Gabriel Kfuri Gouveia, fruto de um relacionamento com o vocalista da banda Biquini Cavadão, Bruno Gouveia; a babá Norma Batista de Assunção, 49 anos; e o empresário Marcelo Almeida, que pilotava a aeronave. Os corpos de Fernanda, Norma e as duas crianças já foram localizados. As outras três vítimas permanecem desaparecidas.

Jordana Kfuri ficou conhecida no chamado "soçaite" carioca depois que começou o romance com o empresário Zé Luca Magalhães Lins. Este não foi o primeiro episódio grave envolvendo a socialite e um helicóptero: anos atrás, um pássaro havia entrado na bolha de uma aeronave enquanto ela voava com Zé Luca, acertando a cabeça de Jordana, que levou alguns pontos.

Quando eles terminaram o namoro - do qual nasceu o filho Luca -, Jordana engatou um relacionamento com o empreiteiro Fernando Cavendish. Paixão fulminante: em meses, Jordana ficou grávida de gêmeas e se casou com Fernando numa grande festa que parou Itaipava em 2009.

Na véspera do acidente, Fernando também estava em festa por seu aniversário, cuja comemoração decidiu estender com os amigos, final de semana adentro, no resort do amigo Marcelo Almeida, o Jacumã Ocean, em Trancoso (BA). O lugar era o destino das sete vítimas.

Marcelo estava em casa com sua mulher, Claudia Baère, quando decidiu buscar em seu helicóptero os amigos que acabavam de aterrissar no aeroporto de Porto Seguro, vindos do Rio, entre os quais o governador Sérgio Cabral; o filho dele, Marco Antonio, com sua namorada, Mariana Noleto; Fernando Cavendish com Jordana Kfuri e Luca; a irmã de Jordana, Fernanda, e o filho, Gabriel; e a babá Norma.

Como não cabiam todos na aeronave, decidiram fazer duas viagens, a primeira com as mulheres e as crianças; a segunda, com os demais, incluindo o governador. Ao notar que o marido não chegava - o trajeto normalmente é feito em 10 minutos -, Claudia foi de carro buscar notícias. No sábado, ela estava no Rio para ficar com parentes e amigos em casa.

Comemoração interrompida
O pequeno Luca, fruto da união com Jordana, transformou a vida de Zé Luca, uma das figuras mais conhecidas da alta sociedade do Rio de Janeiro e dono do time de futebol Boavista Sport Club. Zé Luca sempre foi um dos grandes galãs da alta sociedade, namorando estrelas como Daniella Cicarelli e Leticia Birkheuer. No ano passado, enfrentou o tratamento dos efeitos de um tumor. Sexta-feira, ele comemorava com a família no Rio os dez meses de cura, quando soube da tragédia.

Na internet, a comoção ontem foi grande. O Amora Centro Educacional, no Flamengo - escola onde a namorada de Marco Antônio Cabral, Mariana Fernanda de Noleto, estudou entre 1992 e 1996 - enviou ontem mensagem no Twitter de apoio à família: "Nossa ex-aluna Mariana Noleto (92/96) está desaparecida na queda do helicóptero na Bahia. Nossa torcida para que ela seja encontrada bem".

O corpo de Norma Batista de Assunção, 49 - babá das duas crianças mortas no acidente - seguiu ontem para Teolândia, no interior da Bahia.

Empresário suspeito de tráfico de influência
Depois de escapar por pouco do acidente, o empresário Fernando Cavendish deve ser chamado em breve para dar explicações ao Senado. Presidente de uma das empreiteiras que mais recebem verbas públicas no País, a Delta Construções, ele é acusado se beneficiar de tráfico de influência no governo federal para vencer licitações.

Fernando não embarcou no helicóptero para dar lugar à mulher, Jordana, e ao enteado, Luca. Senadores querem saber por que a Delta teria dobrado seu faturamento com licitações federais. Apenas em 2011, empresa deve receber R$ 3 bilhões da União. No Rio, uma das principais obras integra o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), no Complexo do Alemão, orçada em R$ 623 milhões.

A empresa - que tem donos da empreiteira Queiroz Galvão como sócios - também faz parte do consórcio responsável pela reforma do Maracanã. O grupo venceu a licitação por R$ 705 milhões, mas o valor das intervenções deve chegar a R$ 931.885.382,19. A Delta também integra consórcio encarregado da construção do complexo petroquímico de Itaboraí.

Veja também:

Papai Noel radical faz rapel no bondinho do Pão de Açúcar
Fonte: O Dia
publicidade