0

A picada de mosca que deixa as vítimas em sono profundo

10 jan 2017
20h27
atualizado em 11/1/2017 às 08h44
  • separator
  • comentários

A mordida de uma mosca tsé-tsé é uma experiência extremamente desagradável. Não é como a de um mosquito, que pode inserir sua fina língua diretamente no sangue, muitas vezes sem o alvo perceber: a boca dela tem minúsculas serrilhas que rompem a pele para poder sugar o sangue.

Para piorar a situação, várias espécies de mosca podem transmitir doenças. Uma das mais perigosas é causada por um parasita: a doença do sono ou Tripanossomíase Humana Africana (THA), para dar o nome oficial. Sem tratamento, ela é normalmente fatal.

Mosca tsé-tsé, que transmite a doença do sono
Mosca tsé-tsé, que transmite a doença do sono
Foto: Alamy Stock Photo

Como tantas doenças tropicais, a doença do sono tem sido muitas vezes negligenciada pelos pesquisadores farmacêuticos. No entanto, investigadores têm se esforçado há tempos para compreender como ela engana os mecanismos de defesa do nosso corpo.

Algumas de suas descobertas podem agora ajudar a eliminar a enfermidade completamente.

Há dois parasitas unicelulares que causam o sono mortal: Trypanosoma brucei rhodesiense e T. b. Gambiana .

Este último é mais predominante: é responsável por até 95% dos casos, principalmente na África Ocidental. Ele leva vários anos para matar uma pessoa, enquanto o T. b. rhodesiense pode causar a morte em poucos meses. Existem ainda outras formas que infectam o gado.

Após a mordida inicial, os sintomas da doença do sono muitas vezes começam com febre, dores de cabeça e dores musculares. À medida que ela avança, os infectados ficam cada vez mais cansados - é de onde a doença recebe seu nome.

Alterações de personalidade, confusão mental grave e má coordenação também podem acontecer.

Embora a medicação ajude, alguns tratamentos são tóxicos e podem ser letais, especialmente se ministrados depois que o mal alcançou o cérebro.

Além do sangue, parasitas também ficam na pele e na gordura do corpo
Além do sangue, parasitas também ficam na pele e na gordura do corpo
Foto: Alamy Stock Photo

Controle?

É interessante notar que a doença do sono não é tão mortal como antes.

No início do século 20, várias centenas de milhares de pessoas eram infectadas por ano.

Na década de 1960, a doença foi considerada "sob controle" e registrou números muito baixos, tornando sua propagação mais difícil. Mas nos anos 70 houve outra grande epidemia, que demorou 20 anos para ser controlada.

Desde então, programas melhores de rastreio e intervenções antecipadas têm reduzido o número de casos dramaticamente.

Parasita Trypanosoma brucei rhodesiense (roxo) é responsável por até 95% dos casos, principalmente na África Ocidental
Parasita Trypanosoma brucei rhodesiense (roxo) é responsável por até 95% dos casos, principalmente na África Ocidental
Foto: Alamy Stock Photo

Em 2009, foram contados menos de 10 mil deles pela primeira vez desde que os registros começaram, e em 2015 esse número caiu para menos de 3 mil, de acordo com dados da Organização Mundial de Saúde. A OMS espera que a doença seja completamente eliminada até 2020.

Mas enquanto o declínio parece positivo, podem haver muitos mais casos não registrados na zona rural da África. Para eliminar o problema completamente, as infecções têm de ser acompanhadas de perto.

Uma série de novos estudos tem mostrado que o parasita é mais complicado do que se imaginava.

A doença do sono sempre foi considerada - e diagnosticada - como uma doença de sangue, pois o T. brucei pode ser facilmente detectado no sangue de suas vítimas. Num estudo publicado em setembro de 2016, porém, pesquisadores revelaram ter descoberto que o parasita também pode residir na pele e na gordura.

Pode até haver uma maior densidade de parasitas na pele do que no sangue, diz a coautora do estudo, Annette MacLeod, da Universidade de Glasgow, no Reino Unido.

O fato de a mosca tsé-tsé beber o sangue de uma pessoa pode fazê-la "pegar os parasitas da pele junto com o sangue".

Houve um grande surto de doença do sono no início de 1900, na África
Houve um grande surto de doença do sono no início de 1900, na África
Foto: Alamy Stock Photo

Isso significa que uma pessoa pode não ter sintomas, mas ainda abrigar a doença e espalhá-la.

"Achamos que a pele é, portanto, um reservatório escondido da infecção", diz MacLeod.

Pessoas que transportam a infecção em sua pele não seriam tratadas como aquelas com níveis detectáveis de parasitas no sangue. A descoberta poderia explicar a misteriosa epidemia de 1970, e por que a doença pode ressurgir em áreas que previamente tinham zerado os casos.

"Tivemos uma pessoa de Serra Leoa, que não registrou a doença por 29 anos e depois apareceu em estágio avançado da doença do sono", diz MacLeod. "Você pode abrigar estes parasitas por um longo tempo e ficar bem."

'Corrida armamentista'

Essa não é a única razão pela qual os parasitas podem iludir nosso sistema imunológico.

Em 2014, Etienne Pays, da Universidade de Bruxelas, na Bélgica, descreveu a história da doença do sono como uma "corrida armamentista" entre os humanos e o parasita.

Nessa batalha, nossa principal arma é uma proteína chamada apolipoproteína L1, que é resistente a uma forma anterior de T. brucei .

Essa proteína foi "eficiente em matar o parasita no sangue", diz Pays. "Pelo que sabemos, ela só estava lá para matá-lo."

Razão pela qual a doença do sono é tão mortal é que ela pode entrar no cérebro
Razão pela qual a doença do sono é tão mortal é que ela pode entrar no cérebro
Foto: Alamy Stock Photo

Infelizmente, ao longo do tempo o parasita encontrou uma maneira de burlar a proteção da proteína. Enquanto apolipoproteína L1 ainda pode matar a variante que infecta o gado, não é mais eficaz contra as duas estirpes do T. brucei que infectam os seres humanos. Essas duas "conseguiram escapar", diz Pays.

Mas ele e sua equipe conseguiram ajustar a proteína em seu laboratório para torná-la resistente ao T. b. rhodesiense , a forma rara, mas mais letal.

O que eles não perceberam é que há pessoas na África que já têm um sistema de defesa semelhante. Graças a uma mutação na mesma proteína, elas têm imunidade natural contra o T. b. rhodesiense .

Pays agora suspeita que algumas pessoas sejam resistentes a todas as formas do parasita.

Essa imunidade natural infelizmente tem um custo. Ninguém ainda sabe por que, mas ela tem sido associada a doenças renais em idade mais avançada.

O desafio é fazer uma variante sem efeitos colaterais. A equipe de Pays produziu outra proteína capaz de matar ambas as formas, mas, quando eles a testaram em camundongos, os animais morreram.

O pesquisador ainda está aprimorando a proteína em seu laboratório, na esperança de que ela irá fornecer uma cura eficaz.

"Nós criamos outra, que estamos testando atualmente", disse.

A mordida da mosca tsé-tsé é extremamente dolorosa e pode ser fatal
A mordida da mosca tsé-tsé é extremamente dolorosa e pode ser fatal
Foto: Alamy Stock Photo

As fases

Se Pays atingir seu objetivo, os médicos simplesmente precisarão injetar a proteína em uma pessoa infectada. Em seguida, ela irá matar o parasita e desaparecer. Isso é promissor, mas há um desafio adicional.

A razão pela qual a doença do sono é tão mortal é que ela pode entrar no cérebro. Instalada lá, causa sintomas mais graves, como confusão, alucinações e má coordenação. Uma vez no cérebro, ela se torna mais difícil de tratar e, portanto, mais fatal.

Médicos pensam nisso como um segundo estágio da doença, sendo a primeira quando o parasita infecta o sangue.

Para atingir o cérebro, o parasita deve atravessar a barreira sangue-cérebro, que bloqueia a maior parte das doenças e toxinas. A questão-chave é como ele atravessa - ao que parece, estamos olhando para o lado errado do problema.

Um estudo publicado em outubro de 2016 propõe que a doença do sono tem três fases distintas, não duas como se pensava anteriormente.

A primeira é a picada da mosca tsé-tsé, após a qual o parasita infecta o sangue da pessoa. Na segunda etapa, que não foi identificada anteriormente, o parasita aparece no líquido cefalorraquidiano e em três membranas que envolvem o cérebro, conhecidas como meninges.

Na terceira fase, as fronteiras de proteção do cérebro quebram e uma "invasão em massa" de tripanossomas atravessa a barreira sangue-cérebro, atacando-o.

Michael Duszenko, da Universidade de Tubingen, na Alemanha, e seus colegas descobriram o segundo estágio em camundongos.

Eles também encontraram uma razão para que a terceira fase leve meses e às vezes anos para ocorrer: acontece que o parasita se mantém no segundo estágio, ativamente atrasando o progresso da doença.

Para conseguir isso, ele libera um composto chamado prostaglandina D2, que faz duas coisas.

Em primeiro lugar, induz o sono no paciente, tornando-o mais vulnerável à picada de uma mosca tsé-tsé. Em segundo lugar, faz com que algumas das células de parasitas iniciem um processo chamado apoptose, ou "morte celular".

Em outras palavras, o tripanossoma propositadamente destrói algumas das suas próprias células.

Matar suas próprias células pode soar como uma má ideia, mas fazê-lo "reduz a carga do anfitrião e aumenta a chance de parasitas serem transmitidos para a mosca tsé-tsé", diz Duszenko.

O conceito é manter o hospedeiro vivo, de modo que o parasita tenha mais tempo para infectar outras pessoas. Se a concentração de parasitas subir muito rapidamente, o anfitrião morreria antes de o parasita se espalhar.

Essa descoberta pode ajudar a explicar por que algumas pessoas vivem com níveis crônicos da doença por anos. Livros didáticos devem agora ser reescritos em conformidade com essas pesquisas, diz Duszenko.

Adversário difícil

Apesar desses avanços, ainda há o problema de que o T. brucei é muito bom em se manter um passo à frente da defesa dos seus anfitriões.

O parasita é particularmente hábil em "variação antigênica": tem mais de 1 mil versões de uma proteína em sua superfície exterior, mas exibe apenas uma versão de cada vez, de modo que o sistema imunológico do hospedeiro só produz anticorpos contra a proteína que está à mostra.

Nesse meio tempo, alguns dos parasitas mudam para outra versão, que não podem ser atacadas por esses anticorpos.

Toda vez que o anfitrião produz anticorpos contra uma nova onda de parasitas, alguns tripanossomas mudam para uma nova camada.

"A resposta imune está sempre tentando recuperar o atraso com os parasitas", diz Martin Taylor, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Em parte por isso, não houve novas drogas durante décadas. Um dos medicamentos recomendados é a pentamidina, que trata a primeira fase do T. b. Gambiana - ela foi desenvolvida em 1940. O melarsoprol, que trata a fase final, foi desenvolvido em 1949 - é tóxico e causa a morte em cerca de 5% dos casos.

Outra questão é que as empresas farmacêuticas não têm investido muito dinheiro em pesquisas sobre a doença do sono: ela é uma das chamadas doenças negligenciadas.

"A razão pela qual elas são chamadas de doenças negligenciadas é porque elas foram negligenciadas", diz Taylor.

"Porque são doenças das pessoas mais pobres dos países em desenvolvimento, e, uma vez que leva milhões de dólares para desenvolver uma droga para o mercado, não há o incentivo econômico para criar novos medicamentos."

Isso parece ter mudado um pouco nos últimos anos. Algumas empresas farmacêuticas até fizeram parcerias com organizações sem fins-lucrativos que pressionam por novos remédios.

MacLeod diz que há duas novas drogas "em vias de desenvolvimento", que estão passando por testes.

"Recentemente, tem havido um esforço para encontrar drogas para essas doenças negligenciadas", afirma.

A doença do sono certamente continuará presente nos próximos anos. Mas, ao revelar mais segredos do parasita, um dia poderemos ser capazes de colocá-la para dormir de vez.

  • Leia a dessa reportagem (em inglês) no site .
BBCBrasil.com BBC BRASIL.com - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC BRASIL.com.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade