Segredo de campeão

Segredo de campeão

Segunda, 12 de janeiro de 2009, 15h51 Atualizada às 15h55

Concorrência no vestibular independe de número de candidatos

Na preparação para o vestibular, muitos concorrentes procuram saber qual é o número de candidatos por vaga do curso em que desejam ingressar para medir a dificuldade que terão para conquistar a aprovação. A questão é que esse tipo de raciocínio não necessariamente mensura o nível de concorrência na prova.

» Mantenha o pique para outras provas
» Dicas para fazer uma boa redação
» Quanto vale ousar na redação?

Floriano Cunha, professor do curso Universitário, de Porto Alegre, garante que a melhor estratégia é buscar no site da universidade a média do último colocado entre os que foram aprovados no ano anterior. "Esse é o verdadeiro medidor do grau de dificuldade", afirma.

Cunha lembra que o número de candidatos por vaga, conhecido como densidade, normalmente é mais utilizado pelos alunos por ser um dado concreto que sai antes da prova. A informação, no entanto, acaba não sendo um fiel retrato do nível de concorrência, como mostram os números do vestibular de 2008 da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Segundo no ranking de densidade na universidade gaúcha, com 20,63 candidatos por vaga, o curso de Psicologia teve a nota do último aprovado inferior ao de outros cursos com uma menor proporção de inscritos por matrículas oferecidas.

No acesso universal (sem cotas), a média final do pior classificado entre os selecionados para o curso foi 615,69. Menos que a do último da Biomedicina (650,11), que tinha 16,37 candidatos por vaga, e Engenharia Ambiental (639,50), com 14,57. Ou seja, na prática, foi mais difícil conseguir uma vaga em Biomedicina do que em Psicologia.

Os dados do concurso também mostram que o curso de Engenharia Química, com apenas 7,43 candidatos para cada vaga, teve a nota mínima muito próxima da de Psicologia, que tinha bem mais concorrentes.

Na avaliação de Cunha, esse desequilíbrio ocorre devido à diferença entre o nível de dedicação dos candidatos de cada faculdade. Cursos como Medicina, que tem médias altas (a nota mínima para ingressar em 2008, pelo acesso universal, foi 722,58) provocam uma maior dedicação e atraem alunos que estudam mais. Por outro lado, que não se dispõe a estudar muito acaba buscando alternativas diferentes, engrossando a densidade de outros cursos.

  • Imprima esta notícia
  • Envie esta notícia por e-mail

Busca

Busque outras notícias no Terra: