0

Vaiado e aplaudido, Balotelli dá vitória à Itália no Maracanã

16 jun 2013
19h18
atualizado às 19h18

Atacante do Milan, que começou a partida hostilizado e terminou com o nome gritado pela torcida, comanda triunfo italiano contra o México ao lado de Pirlo. Fora do estádio, novos protestos e confrontos com a polícia.

A Itália estreou com o pé direito graças a um gol na raça de Mario Balotelli e venceu o México, por 2 a 1, no fechamento da primeira rodada do grupo A da Copa das Confederações. O jogo, disputado neste domingo (16/06) no estádio do Maracanã, teve um início eletrizante.

O técnico da Itália, Cesare Prandelli, mandou para a partida uma Squadra Azzurra com jogadores de apenas três equipes diferentes. Eram seis da Juventus, quatro do Milan e um da Roma. Entre as surpresas na escalação, estavam o meia Emanuele Giaccherini e o jovem zagueiro Mattia De Sciglio.

Mario Balotelli, que era dúvida para o confronto, começou jogando e logo no quarto minuto do primeiro tempo quase marcou um golaço. Após erro de passe do zagueiro Francisco Rodríguez, o “Super Mario” interceptou a bola na intermediária mexicana e tentou encobrir o goleiro Corona, que estava adiantado.

Um minuto depois, a primeira grande chance para a Itália. Montolivo cruzou para Balotelli que, de primeira, obrigou Corona a fazer uma defesa complicada. A pressão italiana não parou nos minutos iniciais. Giaccherini e novamente Balotelli causaram arrepios ao goleiro mexicano.

A resposta mexicana veio no décimo minuto. Giovani dos Santos dividiu com Abate na linha de fundo e rolou para Andrés Guardado, que de primeira acertou o travessão do goleiro Buffon.

Começo movimentado no Maracanã. A Itália encontrava espaços nas costas do lateral-esquerdo Flores, e o México aproveitava a velocidade de Giovani dos Santos. Aos 16 minutos, Andrea Pirlo recebeu na grande área, dividiu com Guardado e caiu pedindo pênalti. O ábitro chileno Enrique Osses mandou seguir.

Mas quis o destino que dez minutos mais tarde, Pirlo, que fez a sua centésima aparição com a camisa da Squadra Azzurra, abrisse o placar marcando o primeiro gol em competição oficial do novo Maracanã . Em cobrança de falta, o meia da Juventus acertou o canto superior esquerdo do goleiro Corona. Pirlo é o quinto jogador e apenas o primeiro meio-campista italiano a alcançar a marca de 100 jogos pela Azzurra.

O empate mexicano não tardou. Aos 32 minutos do primeiro tempo, o zagueiro Barzagli cortou com a bola para o lado errado, Giovani dos Santos roubou a bola e foi derrubado na grande área. Pênalti, que Chicharito Hernández converteu, deslocando Buffon. Foi o 33º gol de Chicharito em 51 partidas pela seleção mexicana. E de quebra, foi o primeiro gol de pênalti para o México em Copas das Confederações desde 1997.

Mexicanos sem força para reagir

O segundo tempo começou mais truncado, com mais faltas e perdeu em velocidade. E, aos 8 minutos, em outra cobrança de falta de Pirlo, a bola resvalou na barreira, sobrou para Montolivo, que de dentro da pequena área praticamente recuou a bola para o goleiro mexicano. As melhores chances italianas saíam em bolas paradas, sempre cobradas por Pirlo.

Nos minutos seguintes, dois lances que causaram reclamações em ambos os lados. Aos 14 minutos, Chicharito pediu falta na meia-lua da área e, no minuto seguinte, Balotelli também reclamou de empurrão, já na entrada da área mexicana. O juiz chileno nada marcou.

A partida seguiu morna até o minuto 32 do segundo tempo, quando Mario Balotelli recebeu lançamento de Giaccherini, ganhou a dividida com dois zagueiros mexicanos, aproveitou o erro de Francisco Rodríguez e de carrinho estufa as redes do México. Na comemoração, Super Mario, que vinha sendo hostilizado por parte da torcida no Maracanã, tirou a camisa e recebeu cartão amarelo. Depois, chegou a ter seu nome gritado pelos torcedores.

"Ele precisa parar de fazer exibicionismo com seus músculos", disse o Cesare Prandelli, reclamando do atacante por tirar a camisa após o gol e levar cartão amarelo.

Na sequência, faltaram energia e condição física para a seleção mexicana. Tirando um chute despretensioso de Raúl Jiménez para fácil defesa de Buffon, o México nada pode fazer para empatar a partida.

Esta foi a primeira vitória da Itália contra o México em campo de jogo neutro e também a primeira vitória no Maracanã – na única vez que a Azzurra havia pisado no estádio perdeu para o Brasil por 2 a 0, em 1956.

A segunda partida da Copa das Confederações foi também o segundo ato de protestos nas redondezas dos estádios. Antes e durante o jogo no Maracanã, cerca de 1.500 pessoas protestaram contra os altos gastos com a Copa do Mundo e contra o aumento na tarifa de transporte público. Houve confronto com o Batalhão de Choque da Polícia Militar, e os manifestantes foram dispersados com tiros de balas de borracha e gás lacrimogênio.

Ficha técnica

Local: Maracanã

Arbitragem: Enrique Osses (Chile), auxiliado por seus compatriotas Carlos Cardenas e Sergio Retamal.

Gols: Pirlo (26 do primeiro tempo); Chicharito (33 do primeiro tempo); Balotelli (32 do segundo tempo).

Cartões amarelos: Moreno e Giovani dos Santos (México); De Rossi, Balotelli e Barzaqli (Itália).

México: José Corona; Gerardo Flores, Francisco Rodríguez, Héctor Moreno e Carlos Salcido; Jesús Zavala (Raúl Jiménez), Gerardo Torrado, Andrés Guardado e Javier Aquino (Hiram Mier); Giovani dos Santos e Chicarito Hernández. Técnico: José Manuel de la Torre.

Itália: Gianluigi Buffon; Iganzio Abate, Mattia De Sciglio, Giorgio Chiellini e Andrea Barzagli; Daniele De Rossi, Claudio Marchisio (Alessio Cerci), Riccardo Montolivo e Andrea Pirlo; Emanuele Giaccherini (Alberto Aquilani) e Mario Balotelli (Alberto Gilardino). Técnico: Cesare Prandelli

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
publicidade