0

Trabalho informal no Brasil cai ao menor nível da história

8 set 2010
12h51

O nível de trabalhadores informais no Brasil caiu em 2009 para o nível mais baixo da história e a renda deles chegou ao maior valor em 14 anos, segundo um estudo divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad) divulgada hoje pelo IBGE, com base em dados divulgados em 2009, indicou que o Brasil tinha no ano passado 54,3 milhões de trabalhadores.

Desses, 59,6% tinham carteira assinada, 28,2% eram informais e os 12,2% restantes eram militares ou funcionários públicos.

A porcentagem de trabalhadores formais é recorde histórico, bem como o de informais, que em 2004 representavam 33,1% do total.

A informalidade caiu também entre os empregados domésticos, setor que envolve 7,2 milhões de pessoas, dos quais 2 milhões ainda careciam de garantias trabalhistas em 2009.

Para o estudo, foram entrevistadas 399.387 pessoas em 153.837 domicílios, dos cerca de 58,6 milhões existentes no país.

A pesquisa também detectou um aumento da renda real dos trabalhadores e uma redução da concentração de renda no índice de Gini, de 0,521 em 2008 para 0,518 em 2009.

O estudo também indicou uma queda no número de crianças no mercado de trabalho (de 4,5 milhões em 2008 para 4,3 milhões em 2009) e um aumento de graduados entre a população ocupada (de 41,2% em 2008 para 43,1% em 2009).

Segundo a Pnad, o Brasil tinha no ano passado 191,8 milhões de habitantes, dos quais 51,3% eram do sexo feminino e 11,3% tinham mais de 60 anos.

Pela primeira vez em dez anos, o estudo registrou também um aumento da fecundidade, que alcançou 1,94 filhos por mulher.

A pesquisa verificou queda do analfabetismo (de 11,5% da população com mais de 15 anos em 2004 para 9,7% em 2009).

Além disso, segundo a Pnad, 78,5% das famílias têm telefone celular, 34,7% têm computador e 27,4% têm acesso à internet.

Apesar desses avanços, o número de desocupados subiu de 7,1 milhões de pessoas em 2008 para 8,4 milhões em 2009 como consequência da crise, mas os economistas consideram que esse número voltou a cair porque o país voltou a crescer.

A taxa de desemprego subiu de 7,1% da população economicamente ativa (101,1 milhões) em 2008 para 8,3% em 2009, pondo fim a uma sequência de três anos de queda do indicador.

A renda mensal média dos trabalhadores no ano passado era de R$ 1.106, valor 20% mais em termos reais que em 2004.

Embora a renda média das mulheres tenha crescido pelo quinto ano consecutivo, no ano passado ainda representava 67,1% da remuneração dos homens.

As mulheres representavam no ano passado 51,3% da população em idade ativa, mas apenas 42,6% dos ocupados e 58,3% dos desempregados.

EFE   
publicidade