4 eventos ao vivo

Sobe para 511 as vítimas pelas chuvas no estado do Rio

14 jan 2011
12h40

Ao menos 511 pessoas morreram em consequência das chuvas que castigam há quatro dias a Região Serrana do estado do Rio de Janeiro, na que já é considerada a segunda maior tragédia natural na história do Brasil, informaram nesta sexta-feira fontes oficiais.

Pelos últimos balanços divulgados pelos municípios afetados, as inundações e principalmente os deslizamentos de terra, que sepultaram inúmeras casas nas encostas das montanhas, provocaram 228 mortes em Teresópolis, 225 mortes na cidade de Nova Friburgo, 39 em Petrópolis e 19 em Sumidouro.

De acordo com números das Nações Unidas citados nesta sexta-feira pela imprensa, pelo número de mortes, a desta semana é a segunda maior tragédia natural na história do Brasil, apenas inferior a provocada pelas inundações de janeiro de 1967, quando as vítimas chegaram a 785, também no Rio de Janeiro.

O número de vítimas das chuvas desta semana pode aumentar muito porque os bombeiros não chegaram a locais isolados pela destruição de pontes e estradas, e pelas toneladas de terra, lodo e pedras que cobriram áreas urbanizadas nas montanhas.

As autoridades admitiram seu temor de que a situação se agrave devido aos meteorologistas preverem que as chuvas prosseguirão nos próximos dias, embora sem a intensidade do temporal que castigou a região entre a noite de terça-feira e a madrugada da quarta-feira.

Na madrugada desta sexta-feira, a chuva foi constante, mas de menor intensidade e as autoridades não registraram nenhum novo deslizamento.

"O que nos está angustiando são as próximas horas e dias, já que há previsão de mais chuvas. O problema, além disso, não se resume a esses quatro municípios, há outros que também sofreram pelas chuvas e áreas em risco de deslizamentos", afirmou o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral.

Apesar da capacidade das sedes do Instituto Médico Legal terem sido esgotadas nas cidades da Região Serrana e existirem corpos até nos estacionamentos da instituição, a Polícia já conseguiu identificar 470 dos corpos.

Várias áreas afetadas, cobertas de montanhas de lodo e lixos, permanecem no total caos, sem abastecimento de energia elétrica e telefonia devido ao isolamento.

Os trabalhos de resgate continuaram de forma ininterrupta na madrugada desta sexta-feira na cidade de Teresópolis, mas tiveram de ser suspensos nos outros três municípios por falta de luz e da própria chuva.

A dimensão da tragédia foi atribuída tanto às mudanças climáticas, que aumentaram a intensidade das chuvas que tradicionalmente caem no Brasil nesta época do ano, como à ocupação irregular e desordenada nas encostas das montanhas na Região Serrana.

O governador do Rio de Janeiro garantiu que as autoridades municipais na Região Serrana foram "permissivas" sobre as construções de casas em áreas montanhosas consideradas de risco nas últimas três décadas.

A presidente Dilma Rousseff, que sobrevoou de helicóptero na quinta-feira as áreas mais afetadas, classificou a situação de "muito dramática" e disse que o maior problema é que "a habitação em área de risco no país se tornou regra e não exceção".

Segundo a Defesa Civil, além das vítimas fatais, a tragédia deixou 10 mil pessoas sem moradia e um número ainda não definido de desaparecidos.

A tragédia desta semana é a repetição de desastres registrados historicamente nesta época do ano no Rio de Janeiro. Entre janeiro e abril do ano passado, 283 pessoas morreram pelas chuvas no estado.

EFE   

compartilhe

publicidade
publicidade