0

RJ: escolas adotam medidas para prevenir gripe na volta às aulas

17 ago 2009
10h00
atualizado às 11h11

Depois das férias prolongadas, 2,5 milhões de alunos da rede municipal, estadual e particular do Rio de Janeiro voltam às aulas na manhã desta segunda-feira. De acordo com Jorge Dimuro, diretor do colégio Pedro II, tradicional instituição de ensino da cidade, a escola fez adaptações por recomendação da Secretaria Estadual da Saúde.

» Veja que cuidados tomar com a gripe suína
» Secretário do RS: gripe já atingiu toda população sensível
» Rio: laboratório público produz Tamiflu líquido para crianças
» Para especialista, período é adequado ao reinício das aulas

O sistema de ar condicionado foi desligado, as janelas ficarão abertas, álcool gel foi disponibilizado nos banheiros e corredores e panfletos com informações sobre o vírus da gripe suína estão sendo entregues aos alunos.De acordo com o diretor, todos os professores foram orientados para tirardúvidas dos alunos. Na unidade do colégio que fica no bairro do Engenho Novo, 1,6 mil pessoas estudam em três turnos.

Aluno da 8º série, Luciano Tinoco Monteiro Junior, gostou das duas semanas a mais de férias, mas ficou feliz com a volta às aulas. "Foi bom para a gente se prevenir contra a gripe e para se divertir mais um pouco. Mas já estava chato ficar em casa. Queria rever os amigos", contou.

Em algumas instituições, porém, a falta de artigos de higiene é motivo de preocupação para os pais. Na escola municipal Rivadavia Corrêa, onde estudam cerca de 600 alunos, pais se queixavam da falta de materiais de limpeza. "Há dois anos minha filha estuda aqui e sempre faltou papel higiênico e sabonete. Agora eu quero entrar para ver se todas essas medidas de prevenção estão realmente sendo cumpridas", disse Regina Áurea, mãe da aluna Suede Menezes, da 7ª série.

A diretora da escola, Bárbara Portilho, negou que faltem materiais de higiene. Segundo ela, devido ao vandalismo por parte de alguns alunos, produtos como papel higiênico são destruídos. Ela informou que já foram distribuídos gel desinfetante e copos de plástico para serem usados no bebedouro, já que a escola não tem galão de água.

Apesar da preocupação, mães comemoravam o fim das férias. Para Thelma Guimarães, que tem uma filha matriculada na 7º série, o adiamento da volta às aulas foi um exagero e só serviu para prejudicar pais e alunos. "Atrapalha muito, pois não tenho com quem deixar minha filha e ficam vários problemas pendentes para resolver. E para ela também é ruim, porque fica sem ter o que fazer", disse.

Aulas no sábado para repor dias

Na rede estadual, haverá aulas em oito sábados a partir de setembro para repor os dias perdidos com o adiamento. A previsão é concluir o ano letivo em 22 de dezembro. Na rede municipal, as escolas têm autonomia para cumprir os 200 dias obrigatórios. Algumas instituições devem realizar aulas ao sábado, enquanto outras podem ampliar a carga horária semanal. Nos colégios particulares, as instituições devem promover aulas aos sábados, além de não fazer feriadões.

Centros móveis visitam escolas

Com o objetivo de promover a prevenção ao vírus da gripe suína, o governo do Rio lançou dois centros móveis, que circulam pelas instituições de ensino das 9h às 17h. Nesta segunda-feira, os veículos visitarão 11 escolas municipais, em São Cristóvão e na zona sul da cidade. Ao longo da semana, outros colégios receberão os profissionais. Mais de 30 mil professores foram capacitados para orientar os alunos sobre a doença.

O governo dispõe de dois telefones para orientar a população sobre a gripe suína: o Tele Saúde, (21) 35234025, e o Disque Gripe, 0800 2810100.

Com informações da Agência Brasil.
Redação Terra

compartilhe

publicidade
publicidade