Sites Relacionados
Retrospectiva 2004
Boletins
Receba as últimas notícias em seu email
Fale Conosco
Mande suas críticas e sugestões. Participe!
Tecnologia
Usuário vê o mundo do alto do seu PC
 
Divulgação
O Maracanã é um das dezenas de estádios que podem ser vistos no programa
O Maracanã é um das dezenas de estádios que podem ser vistos no programa
Ainda no final de 2004, o Google comprou uma companhia chamada Keyhole. Em meio ao crescente número de aquisições de empresas pequenas - tendência que se confirmou em 2005 -, o negócio passou despercebido. A surpresa ficaria para 2005: o Google lançou o seu serviço online de mapas e, pouco tempo depois, um software que virou febre entre os internautas.

  • Baixe agora o Google Earth
  • Veja mais de 30 estádios
  • Veja lugares históricos
  • Veja casas de famosos

    O Google Earth, um programa gratuito e que pode ser baixado em poucos minutos, permitiu ver imagens de satélite do mundo inteiro com uma qualidade impressionante. De uma hora para a outra, estádios de futebol, lugares histórios e mansões de celebridades podem ser vistas na telinha do computador. Os usuários adoraram: recentemente, o Google Earth foi eleito o melhor software do ano pelos leitores e assinantes da revista Info.

    Mas isso foi apenas o início de uma guerra: a Microsoft lançou o Virtual Earth, totalmente online, e o Yahoo passou a incrementar o seu serviço de mapas, bastante inferior por não oferecer imagens de satélite.

    O Google Earth e seus concorrentes também geraram polêmica: em setembro, dois membros do parlamento holandês leram um artigo que dizia que o programa poderia ser utilizado na busca de potenciais alvos para ataques terroristas - e pediram providências do governo do país. A idéia foi reforçada por nada menos que o presidente da Índia, Abdul Kalam.

    Mas também sobrou espaço para "brincadeiras": o serviço de imagens por satélite da Microsoft foi "acusado" de trocar a sede da rival Apple por um terreno vazio. E o Yahoo, propositadamente, colocou uma peixaria no lugar do endereço do Google.
     

  • Redação Terra