Deputado esquece a pauta e narra exame de próstata

30 de março de 2005 • 12h20 • atualizado às 12h20

Os deputados da Assembléia Legislativa da Bahia deixaram um pouco a pauta de lado para ouvir o relato, em plenário, do exame de próstata do deputado Sargento Isidório (PT). Eles também se ocuparam debatendo as semifinais do campeonato baiano de 2005. Os eleitores que assistiram à sessão plenária devem ter saído perplexos da Casa e revoltados com os políticos.

  • Deixe seu comentário sobre o ocorrido

    O deputado Isidório, que se elegeu prometendo reduzir o preço do gás de cozinha, em Candeias, abriu os trabalhos relatando em detalhes no microfone do plenário o exame de próstata que fez na manhã de ontem. Ele revelou que, até a tarde, ainda "via estrelas", graças à virulência do médico. "Não é uma questão de machismo. Não se trata disso. Mas está chegando a hora de se buscar outro meio de fazer esse tipo de exame", afirmou o deputado petista.

    "Ele chegou e foi logo colocando o dedo", contou aos colegas deputados, fazendo questão de mostrar, com mímica e veemência, o dedo utilizado pelo médico durante o exame de toque. "É um exame angustiante, mas não vou tocar nesse assunto agora porque isso é desmoralizante para um pai de família, principalmente uma pessoa com a minha idade e outros que vêm por aí sofrendo", ressaltou. Médico, o deputado Targino Machado (PMDB), dando prosseguimento ao debate, protestou. "O deputado Isidório está fazendo apologia contra o exame de próstata, que é algo importante". Isso irritou o deputado do PT, informou o jornal Correio do Bahia.

    Não satisfeito, o petista voltou ao assunto no microfone do plenário para rebater o pronunciamento do peemedebista. E disse que não é contra o exame, mas sim contra a forma como é feito. "Eu não havia feito, sinto-me uma pessoa enganada. Pensava que era de uma outra maneira. Não sabia do que se tratava, mas da maneira como o médico me tratou, a maneira que foi introduzido aquele dedo, foi horrível! Quase que desmaio! Não aceito! Não estou sendo contra o exame, mas estou dizendo que tem de haver outros métodos. A ciência está aí querendo até fazer gente igual, criando tudo quanto é coisa", disse, para um plenário aos risos.

    No total, Isidório fez três pronunciamentos na Casa ontem. E todos para tratar do mesmo assunto: o seu exame de próstata. Tanto que, entre risos, o deputado João Bonfim (sem partido), perguntou a ele se foi mesmo o dedo que o médico usou para fazer o exame de próstata.

    Esporte
    O outro assunto do dia foi o futebol. O deputado Roberto Carlos (PDT), que é presidente do Esporte Clube Juazeiro - time que disputa as semifinais do campeonato baiano com o Esporte Clube Bahia -, protestou, em discurso na tribuna, contra a arbitragem da primeira partida entre os dois times, que acabou empatada em dois a dois. Ele disse que a arbitragem levou o jogo até os 51 minutos para beneficiar o time de Salvador, que fez o gol de empate nos acréscimos.

    Sobrou até para a crônica esportiva. "Na Bahia, temos uma crônica esportiva excludente. Só se fala em Bahia e Vitória", declarou o parlamentar, que estava vestido com uma camisa do Juazeiro. Em aparte, o deputado Pedro Alcântara (PL) chamou o Bahia de "timinho" e apostou na classificação da equipe de Juazeiro. Ninguém se levantou em plenário para defender o Esporte Clube Bahia, que amarga a segunda divisão do campeonato brasileiro e faz uma campanha medíocre no campeonato baiano de 2005.

  • Redação Terra
     
    Enviar para amigos
    Fechar por:
    Enviar para amigos
    Fechar por:

    Imprimir

    Fechar
    Mais vistos

    Notícias

    1. Carregando...
    leia mais notícias »