inclusão de arquivo javascript

 
 

Justiça austríaca encerra caso Kampusch e descarta cúmplices

08 de janeiro de 2010 10h36 atualizado às 12h45

O pai de Natascha Kammpusch, Ludwig Koch, se manifesta sobre o caso, em Viena. Foto: Reuters

O pai de Natascha Kammpusch, Ludwig Koch, se manifesta sobre o caso, em Viena
Foto: Reuters

A Justiça austríaca considerou nesta sexta encerrado o caso de Natascha Kampusch, a jovem austríaca sequestrada durante oito anos e sobre a qual houve vários boatos e especulações.

O chefe da Procuradoria de Viena, Werner Pleischl, disse hoje à imprensa que Wolfgang Priklopil foi o único autor do sequestro e que não houve mais cúmplices nem envolvidos.

Dessa forma, descarta-se definitivamente o envolvimento de Ernst Holzapfel, amigo íntimo de Priklopil, sobre o qual houve muitas especulações.

A investigação do caso Kampusch foi encerrada precipitadamente em novembro de 2006, apenas três meses depois de a jovem conseguir escapar após oito anos de cativeiro. Em outubro de 2008, o caso foi reaberto, com a suspeita de um segundo envolvido como principal sequestrador.

Desde a reabertura das investigações, a Procuradoria interrogou 110 pessoas e analisou amostras de DNA da casa em cujo porão Priklopil trancou Kampusch quando a jovem tinha 10 anos.

"Temos certeza de que não houve cúmplices", afirmou hoje Ernst Geiger, do departamento de crime organizado do Escritório Federal de Investigação Criminal.

Essa teoria se sustentava principalmente na declaração de uma testemunha que afirmou ter visto dois homens sequestrarem Kampusch, quando ela estava a caminho do colégio. Além disso, Holzapfel teria confessado que Priklopil lhe apresentou à jovem, embora assegurasse desconhecer de quem se tratava.

Já antes do anúncio de hoje, a Procuradoria de Viena tinha deixado claro que não haverá mais investigações e que todas as questões sobre o caso foram resolvidas.

No entanto, as autoridades policiais admitiram erros na investigação. Priklopil foi um entre centenas de suspeitos interrogados e descartados pela Polícia durante a ampla operação de busca realizada após o sequestro.

"De fato, os indícios sobre Wolfgang Priklopil foram erroneamente levados em conta no decorrer dos fatos. Aquilo foi um grande erro", reconheceu hoje Geiger.

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.
  1. Montagem mostra Natascha Kampusch ainda criança e como está atualmente  Foto: AFP

    Montagem mostra Natascha Kampusch ainda criança e como está atualmente

    AFP
    Foto: AFP

  2. Natascha Kampusch é cercada por jornalistas ao deixar julgamento em 15 de maio de 2008, na cidade de Graz, na Áustria  Foto: AFP

    Natascha Kampusch é cercada por jornalistas ao deixar julgamento em 15 de maio de 2008, na cidade de Graz, na Áustria

    AFP
    Foto: AFP

  3. O pai de Natascha Kammpusch, Ludwig Koch, se manifesta sobre o caso, em Viena  Foto: Reuters

    O pai de Natascha Kammpusch, Ludwig Koch, se manifesta sobre o caso, em Viena

    Reuters
    Foto: Reuters

/foto/0,,00.html