3 eventos ao vivo

Síria deve provocar recorde de refugiados no mundo, diz ONU

  • separator

Com dezenas de milhares de pessoas fugindo da Síria a cada mês, o número de refugiados no mundo em 2012 deverá ser o maior deste século, afirmou um alto funcionário da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta segunda-feira.

António Guterres, chefe do Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Acnur), disse ao comitê executivo da entidade que a capacidade da agência estava sendo esticada até ao limite.

"Já em 2011, conforme se desenrolava crise após crise, mais de 800 mil pessoas atravessaram as fronteiras em busca de refúgio -- uma média de mais de 2 mil refugiados por dia", disse o ex-primeiro-ministro português.

Esse total foi o mais alto desde a virada do século "e até agora este ano mais de 700 mil pessoas fugiram da República Democrática do Congo, Mali, Sudão e Síria", contou Guterres.

Na sexta-feira, outro funcionário do Acnur afirmou que o total de refugiados da Síria pode chegar a 700 mil este ano, quase quatro vezes a estimativa anterior, à medida que as tropas do governo lutam contra os rebeldes em todo o país.

Cerca de 294 mil pessoas que fugiram dos 18 meses de confrontos na Síria já cruzaram a fronteira para Jordânia, Iraque, Líbano e Turquia, ou aguardam registro, disse Panos Moumtzis em uma coletiva de imprensa.

Os novos refugiados estão se juntando aos cerca de 42 milhões em todo o mundo que fugiram através das fronteiras para escapar da violência em seus países.

Em meio à crise econômica global e com os orçamentos dos governos no limite, Guterres disse ao comitê executivo do Acnur que o custo de ajudar refugiados estava aumentando rapidamente, enquanto continuam as crises duradouras no Afeganistão e na Somália.

"Estamos em um momento em que as exigências sobre nós estão aumentando, enquanto os meios disponíveis para responder permanecem a um nível similar ao do ano passado", disse.

"Nossas operações na África, em particular, são drasticamente subfinanciadas... No atual ambiente operacional imprevisível, este é um motivo de grande preocupação".

(Reportagem de Robert Evans)

Veja também:

Último debate entre Trump e Biden tem tom mais ameno, mas com troca de acusações; veja destaques
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade