publicidade
04 de março de 2013 • 10h41

Ovo de Páscoa tem origem na China e na França

 

O que muita gente não sabe é como surgiu essa tradição e de onde são as raízes do ovo de Páscoa. O ovo, em si, simboliza a vida, nascimento e ressurreição. E, diferente do que muita gente pensa, ele carrega esse significado de outras culturas e povos também, como romanos, gauleses, chineses e egípcios. Para eles, o ovo representa a forma do universo. 

Há muito tempo, antes de se pensar na ideia de trocar ovos de chocolate na Páscoa, a tradição girava em torno de ovos de galinha pintados a mão. “Alguns historiadores acreditam que o costume de presentear com ovos coloridos surgiu entre os antigos egípcios, persas e alguns povos germânicos. Atualmente, essa tradição é atribuída aos chineses, que davam ovos decorados nas festas de primavera”, explica Marcelo Duarte, jornalista e autor da série de livros “O Guia dos Curiosos”.

Ovos na Páscoa
O símbolo, porém, só começou a fazer parte da comemoração de Páscoa no século 12. “Quando Luís VII voltou para a França depois da segunda Cruzada, apesar do fracasso da expedição contra os muçulmanos, foi recebido com festa. Para comemorar seu regresso, o superior da Abadia de St. Germain-des-Près ofereceu aos pobres metade dos produtos das terras exploradas, entre eles, muitos ovos. A data costumava coincidir com o jejum da Quaresma”, conta Marcelo.

Algum tempo depois, no século 15, pressionado pela Igreja que reclamava do grande consumo de ovos durante esse período de penitência, Luís XI proibiu a comemoração. “Assim, para festejar o fim do jejum, as pessoas passaram a presentear os amigos e parentes com ovos benzidos na missa do Domingo da Páscoa”, diz Marcelo.

Com o passar do tempo, os ovos se tornaram mais requintados, e os ricos e nobres passaram a trocar versões de porcelana, vidro, pedra, madeira e até escamas. O costume de dar ovos decorados surgiu na Inglaterra, no reinado de Eduardo I. Ele costumava banhar ovos em ouro e presentar seus súditos preferidos. Essas tradições inspiraram também Peter Carl Fabergé, que criou os famosos e valiosos Ovos Fabergé.

Já os ovos de chocolate vieram dos Pâtissiers franceses, que esvaziavam os ovos e depois recheavam com chocolate, finalizando com uma pintura por fora. Com o tempo, virou uma tradição pais esconderem os ovos no jardim para que seus filhos encontrassem na manhã de Páscoa. O costume evoluiu até chegar à fase da indústria do chocolate, tal como é hoje. 

Ovos pelo mundo
Apesar de a cultura dos ovos de páscoa ter se transformado ao longo dos anos, ainda hoje, a tradição de trocar ovos de galinha pintados à mão perdura em muitos países, como na Bulgária. Lá, depois de abençoados, os ovos presenteados são quebrados após a missa da meia-noite e durante os próximos dias. Um dos ovos é quebrado na parede da igreja, e esse é o primeiro ovo a ser comido após o jejum da Quaresma. 

Nos Estados Unidos e na França, a tradição de ovos de galinha coloridos ainda é forte. As crianças costumam participar de uma caça aos ovos. Na Bélgica, as crianças escondem ninhos de palha na grama para que o coelho da Páscoa os encha de ovos.

Terra