PUBLICIDADE

Rússia teme que armas químicas sejam pretexto para intervenção na Síria

6 jun 2013 08h16
| atualizado às 08h33
ver comentários
Publicidade

A Rússia, que se opõe firmemente a uma intervenção militar estrangeira na Síria, expressou preocupação nesta quinta-feira que potências possam usar as alegações de ataques com armas químicas por parte do governo sírio para justificar tal medida.

"A questão das armas químicas tornou-se objeto de especulação e de provocação", disse o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, em entrevista coletiva com seus homólogos alemão e finlandês.

"Eu não descarto que alguém queira usar isso para afirmar que uma linha vermelha foi cruzada e uma intervenção estrangeira é necessária", acrescentou.

Lavrov também exortou a Turquia a esclarecer relatos de que militantes sírios que lutam para derrubar o presidente Bashar al-Assad foram presos em seu território em posse do agente químico nervoso sarin.

A França disse na terça-feira que realizou testes que comprovaram o uso pela forças de Assad do gás nervoso no conflito de mais dois anos, cruzando uma "linha vermelha" que os Estados Unidos e outros países têm dito repetidamente que exigiria uma resposta.

A Rússia, um aliado de longa data da Síria e fornecedor de armas para o regime de Assad, tem alertado repetidamente contra a intervenção externa na Síria, dizendo que o povo sírio deve decidir seu próprio destino.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade