PUBLICIDADE

Rússia e Otan discutem operação conjunta na destruição de armas sírias

Ambos terão a tarefa de proteger o Cape Ray, navio de carga americano que vai processar no mar cerca de 500 toneladas de armas químicas

14 fev 2014 15h38
| atualizado às 16h33
ver comentários
Publicidade

A Rússia e a Otan estão planejando uma rara operação naval conjunta no Mediterrâneo para proteger a embarcação norte-americana que destruirá armas químicas da Síria, disseram autoridades e outras fontes.

Marinheiros norte-americanos preparam navio U.S. MV Cape Ray em Rota, cidade próxima a Cádiz, no sul da Espanha
Marinheiros norte-americanos preparam navio U.S. MV Cape Ray em Rota, cidade próxima a Cádiz, no sul da Espanha
Foto: Reuters

A operação vai ser uma iniciativa de importante simbolismo, num momento em que as relações entre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e a Rússia são difíceis por conta de um escudo antimísseis do bloco. Há também tensões entre russos e o Ocidente por causa da Ucrânia.

A operação também mostraria o apoio global ao entendimento de agosto último entre a Rússia e os Estados Unidos para destruir o estoque de armas químicas sírias, um acordo que afastou a ameaça de um ataque norte-americano à Síria.

De acordo com o plano em discussão, a Otan e a Rússia compartilhariam a tarefa de proteger o Cape Ray, um navio de carga dos EUA que vai processar no mar cerca de 500 toneladas de químicos, uma ação que seria muito perigosa em terra firme.

A Otan e a Rússia ainda estão tentando resolver problemas técnicos, mas fontes do bloco dizem que o acordo poderia ser anunciado já na semana que vem. As embarcações da Otan e da Rússia forneceriam forte proteção a um navio que estará carregando uma das cargas mais perigosas no mundo.

A Rússia apoiou desde o início o acordo para o desarmamento sírio e não quer ver a iniciativa fracassar. Já há atrasos da parte de Damasco no cronograma.

O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, e o secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, discutiram em Bruxelas, em 28 de janeiro, o apoio aos esforços internacionais para destruir as armas sírias, segundo fontes russas e do bloco.

Depois da reunião, Rasmussen pediu aos técnicos da Otan uma apresentação sobre as opções disponíveis, disse uma fonte do bloco à Reuters.

"O nosso entendimento é que os russos estão fazendo o mesmo. Estamos falando aqui sobre a possibilidade de uma operação conjunta marítima", acrescentou a fonte.

Uma fonte da Organização para a Proibição das Armas Químicas, que supervisiona a destruição das armas, também disse que uma operação conjunta no Mediterrâneo está sendo discutida.

Outras fontes da Otan em Bruxelas confirmam que a discussão está ocorrendo.

(Reportagem de Gabriela Baczynska, em Moscou, Anthony Deutsch, em Amsterdã, Adrian Croft, em Bruxelas; reportagem adicional de Alexandra Hudson)

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade