3 eventos ao vivo

Rebeldes sírios avançam para cidade no norte do país

20 jul 2013
15h07
atualizado às 15h38

Rebeldes sírios avançaram em direção à cidade de Khan al-Assal, no norte da Síria, neste sábado, disseram ativistas, e parecem próximos de tomar o controle de uma das últimas cidades da região oeste da província de Aleppo que ainda é detida pelas forças do presidente Bashar Al-Assad.

O exército tem tentado uma lenta operação de reforço de tropas ao redor da província para retomar Aleppo, que já foi o maior centro comercial da Síria. Até agora, a ofensiva de Assad tem sido detida pelas forças rebeldes, mas uma série de vitórias do governo em outras partes do país mudou a batalha a seu favor após mais de dois anos de um conflito sangrento.

Em outras parte do norte da Síria, as forças de Assad lançaram um terceiro dia de pesados bombardeios sobre a cidade de Saraqeb, na província de Idlib. O Observatório Sírio para Direitos Humanos afirmou que ao final da tarde aviões tinham feito 12 ataques sobre a cidade. Contagens iniciais informaram que cinco pessoas foram mortas neste sábado, sendo três delas crianças.

As províncias vizinhas de Idlib e Aleppo são regiões no norte da Síria que se tornaram bases para rebeldes que tentam encerrar quatro décadas de regime da família Assad no país.

Não ficou claro porque Saraqeb foi alvo de tantos ataques, mas alguns ativistas locais sugerem que isso foi uma retaliação pela captura de um posto do exército pelos rebeldes.

Outros ativistas afirmaram que os ataques são uma ofensiva do Exército sírio para atingir áreas próximas de uma importante estrada que leva até Aleppo e que é canal para suprimentos aos rebeldes.

Grandes manifestações de rua que se converteram na insurgência contra o regime Assad resultaram na morte de mais de 100 mil pessoas desde março de 2011, segundo o Observatório, e destruíram edifícios da antiguidade e artefatos ao redor do Estado de maior árabe.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade