0

Mais de 70 mil pessoas protestam em diversas cidades de Israel

13 ago 2011
19h14
atualizado às 21h14
  • separator

Mais de 70 mil pessoas protestaram neste sábado em diversas cidades da periferia de Israel para pedir "justiça social", no quarto sábado consecutivo de manifestações contra o aumento do custo de vida. A maior concentração foi registrada na cêntrica Ben Gurion Boulevard de Haifa, a terceira maior cidade do país, enquanto em Be'er Sheva, no deserto do Neguev e onde se esperava o maior número de manifestantes, cerca de 12 mil pessoas protestaram, número inferior ao calculado pelos organizadores, segundo emissoras de televisão locais.

A onda de protestos em Israel começou em Tel Aviv pelos altos preços da moradia. A minoria árabe participou pela primeira vez dos protestos, embora de forma discreta, com manifestações em alguns pontos específicos. Dessa vez os organizadores dos protestos em Israel preferiram não convocar manifestações em Tel Aviv nem em Jerusalém, mas na periferia, com o objetivo de mostrar o caráter nacional do protesto.

As manifestações começaram no final da tarde de sábado, ao terminar o "shabat" (descanso semanal). Nas manifestações também era possível ver bandeiras que pediam a libertação do soldado Gilad Shalit, detido em Gaza desde 2006. Além disso, Be'er Sheva contou com uma forte presença de estudantes entre a multidão.

O presidente do sindicato de estudantes da Universidade Ben-Gurion, que participou dos protestos, declarou que o Governo de Benjamin Netanyahu não é "o único responsável pela situação", mas ressaltou que é ele que terá que "encontrar soluções". "Amamos este Estado. (...) Mas queremos viver em nosso país com dignidade", disse ele, segundo o site do jornal Yedioth Ahronoth.

Mais de 70 mil pessoas protestaram para pedir justiça social
Mais de 70 mil pessoas protestaram para pedir justiça social
Foto: AP

Veja também:

Como funcionam as eleições presidenciais nos EUA
EFE   
publicidade