6 eventos ao vivo

Liga Árabe pode pedir ajuda da ONU em missão na Síria

7 jan 2012
11h59
atualizado às 12h27

Ministros das Relações Exteriores árabes se encontrarão neste domingo para discutir se devem pedir ou não à Organização das Nações Unidas (ONU) uma ajuda para a missão na Síria, que não encerrou uma repressão que já dura dez meses, com protestos anti-governo, além de já ter deixado milhares de mortos.

A proposta do Catar é convidar técnicos da ONU e especialistas em direitos humanos para ajudar supervisores árabes a avaliar se a Síria está honrando a promessa de interromper a repressão, disseram fontes da Liga Árabe. Uma fonte afirmou que pode pedir para que o grupo da ONU na missão seja formado por árabes.

Os chanceleres, que levarão em consideração um relatório inicial dos supervisores, também discutirão medidas para permitir que a missão opere mais independentemente em relação às autoridades sírias, informaram fontes da Liga Árabe.

A violência continuou desde que os monitores começaram a trabalhar na Síria, no dia 26 de dezembro, com o relato de muitas mortes. O primeiro-ministro do Catar, xeique Hamad bin Jassim al-Thani, afirmou que a Síria não está implementando o acordo e que os supervisores não podiam ficar no país "perdendo tempo".

O Exército sírio não se retirou das cidades e não houve fim da repressão e das mortes, disse. Fontes da Liga Árabe disseram que os ministros devem reafirmar o apoio aos supervisores, resistindo aos pedidos para encerrarem o que partidários pró-democracia da Síria chamam de uma missão sem propósito e que meramente dá mais tempo para o presidente Bashar al-Assad reprimir seus opositores.

A Síria afirmou que está ajudando os supervisores no que eles precisam. "O que estamos buscando é objetividade e profissionalismo", afirmou na semana passada o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Jihad Makdesi.

Ninguém deve "correr para dar veredictos" aos feitos da missão, afirmou o chefe da sala de monitoramento de operações na sede da Liga Árabe, Adnan al-Khudeir. Ele afirmou que a comissão que observa os supervisores tem total apoio da Liga.

A ONU afirmou que cerca de 5 mil pessoas foram mortas na revolta contra Assad. O Exército da Síria Livre, uma oposição armada composta principalmente por desertores do Exército, juntou-se à revolta. O governo sírio afirma que "terroristas" mataram 2 mil membros das forças de segurança durante os conflitos.

A Liga Árabe deu aos supervisores um mês para avaliar se Assad seguiu sua promessa de encerrar a violência, retirando os militares das cidades sírias. Mais monitores com diferentes habilidades e experiência devem chegar à Síria na próxima semana, elevando o número para 150.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade