PUBLICIDADE

Israel quer atos e não palavras sobre programa nuclear do Irã

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, expressou na Assembleia Geral da ONU a vontade de diálogo com Washington para resolver a crise nuclear

30 set 2013 09h58
| atualizado às 10h08
ver comentários
Publicidade
Shimon Peres emite pronunciamento durante visita à Corte Internacional de Justiça, em Haia
Shimon Peres emite pronunciamento durante visita à Corte Internacional de Justiça, em Haia
Foto: AP

O presidente israelense, Shimon Peres, afirmou nesta segunda-feira em Haia que as verdadeiras intenções do Irã sobre seu programa nuclear devem ser medidas em ações e não palavras.

"No final, só podemos julgar pelos fatos e ações", disse Peres durante coletiva de imprensa no Palácio da Paz em Haia. "Espero que os fatos justifiquem a esperança de muitas pessoas de ver um futuro diferente para o Irã", acrescentou o presidente de Israel, em visita a Holanda.

Peres, cujo cargo é honorífico, vê contradições no discurso do Irã porque, em sua opinião, o objetivo de construir mísseis de longo alcance "não tem outra explicação do que a de querer carregá-los com ogivas nucleares".

Os países ocidentais e Israel, inimigo jurado de Teerã, suspeitam que o Irã tenta adquirir armas nucleares sob o pretexto de um programa nuclear civil. A República Islâmica nega. "Todos nós queremos ver o Irã voltar para o lado da paz e da razão, mas acho que nenhum de nós pode fazer concessões sobre este pedido mínimo", insistiu Peres.

Ele também pediu que todas as opções sejam mantidas em aberto para fazer com que o Irã abandone o seu programa nuclear, incluindo por sanções econômicas.

Considerado por especialistas como a única potência nuclear no Oriente Médio, Israel é um membro da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), mas não assinou o Tratado de Não-Proliferação Nuclear e nunca reconheceu formalmente possuir a bomba atômica.

O presidente iraniano, Hassan Rouhani, expressou na Assembleia Geral da ONU a vontade de diálogo com Washington para resolver a crise nuclear e condenou o Holocausto, uma mudança radical em relação a seu antecessor, Mahmud Ahmadinejad.

O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu deve se reunir nesta segunda-feira com o presidente Barack Obama em Washington. Na terça-feira, deverá pronunciar um discurso na ONU para convencer seus membros de que a ameaça iraniana continua.

<a data-cke-saved-href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/especial-ira/" href="http://www.terra.com.br/noticias/infograficos/especial-ira/">O que esperar de um país frequentemente associado ao extremismo religioso, fechado em torno do manto da Revolução Islâmica e governado por um regime teocrático conhecido por suas práticas que ferem grande parte dos princípios ocidentais de igualdade, liberdade, democracia e direitos humanos? Conheça o outro lado do Irã</a>
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
Publicidade
Publicidade