2 eventos ao vivo

Irã nega plano de mostrar instalações nucleares a diplomatas

28 ago 2012
09h26
atualizado às 09h41

O Irã afirmou nesta terça-feira não ter planos de mostrar suas instalações nucleares a diplomatas que estão em visita ao país para uma cúpula do Movimento dos Não-Alinhados (MNA), contradizendo, assim, uma oferta feita anteriormente pelo vice-ministro de Relações Exteriores, Mohammad Mehdi Akhoundzadeh.

Veja no mapa os principais complexos nucleares do Irã

"Nós não temos nenhum plano específico para uma visita a instalações nucleares por parte de convidados estrangeiros que participam da cúpula dos países não-alinhados", disse o porta-voz da chancelaria iraniana, Ramin Mehmanparast, segundo a agência estatal de notícias Irna.

Akhoundzadeh deu a entender na segunda-feira que o Irã poderia deixar diplomatas participantes da cúpula visitarem a base militar de Parchin, que a agência da ONU de supervisão nuclear diz que pode ter sido usada para experimentos de explosivos relacionados com atividade nuclear.

Diplomatas ocidentais rejeitaram a possível oferta, feita pouco depois que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) fracassou novamente em sua tentativa de obter acesso de seus inspetores a Parchin, durante um encontro com uma delegação iraniana em Viena, na sexta-feira.

"Qualquer visita conduzida pelos iranianos com autoridades do MNA seria nada mais do que um golpe publicitário muito, muito ruim", disse à Reuters um proeminente diplomata em Viena. "É a AIEA que deveria ter acesso a Parchin."

O representante do Irã na AIEA, Asghar Soltanieh, reiterou a determinação de seu país de manter o processo de enriquecimento de urânio. "Nós não vamos suspender o enriquecimento nem mesmo por um segundo", afirmou ele, segundo a agência iraniana estudantil de notícias.

Urânio enriquecido pode ser usado para alimentar usinas de energia ou, se for mais processado, em armas nucleares.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

publicidade