0

Explosões em Bagdá matam mais de 30 em feriado islâmico

27 out 2012
16h53

BAGDÁ, 27 Out (Reuters) - Bombas em bairros xiitas de Bagdá e uma explosão em um ônibus com peregrinos iranianos mataram mais de 30 pessoas no sábado, arruinando celebrações iraquianas do segundo dia do festival religioso islâmico de Eid al Adha.

A violência no Iraque tem diminuído bastante, mas insurgentes islamistas sunitas e a ala da Al Qaeda no Iraque costumam alvejar xiitas a fim de incitar tensão sectária que quase levou o país à guerra civil em 2006 e 2007.

Dois carros-bomba explodiram no sábado, um destruindo um restaurante em Sadr City e matando ao menos 23 pessoas, disseram fontes policiais e de hospitais.

"Eu estava apenas vendendo frutas e fui surpreendido por uma enorme explosão do outro lado da rua", disse Hassan Falih Shami, dono de uma mercearia perto do local da explosão. "Você pode ver poças de sangue, sapatos e pedaços de roupas".

Horas antes, uma bomba colocada perto de um mercado ao ar livre matou sete pessoas, incluindo três crianças no playground. Outra explosão matou seis pessoas quando atingiu um ônibus com peregrinos iranianos que seguiam para um santuário em Bagdá, disseram autoridades policiais e hospitalares.

A polícia disse que o ataque no ônibus foi causado por uma bomba colocada no veículo.

Os insurgentes lançaram pelo menos um grande ataque por mês desde que os últimos soldados norte-americanos partiram em dezembro. Autoridades iraquianas temem que a crise síria esteja incentivando os insurgentes iraquianos.

O total mensal de vítimas fatais dos ataques no Iraque dobrou em setembro para 365, o número mais alto de vítimas em dois anos, incluindo uma série de bombas contra bairros xiitas que matou mais de 100 pessoas.

Autoridades da área de segurança acham que os insurgentes tentarão lançar um grande ataque durante o feriado religioso, que começou na sexta-feira.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade