0

Egito anuncia cessar-fogo entre Israel e Hamas na Palestina

21 nov 2012
15h10
atualizado em 22/11/2012 às 10h11
  • separator

Representantes do governo de Israel e do Hamas, grupo que controla a Faixa de Gaza, chegaram a um acordo para instaurar um cessar-fogo na região às 19h GMT (21h em Jerusalém e 17h em Brasília) desta quarta-feira, anunciou o ministro das Relações Exteriores egípcio, Mohamed Kamel Amr. A informação, divulgada pela agência AFP, se segue a um dia de negociações que terminaram sem acordo entre ambas as partes para suspender as agressões mútuas que já deixaram pelo menos 152 mortos (147 palestinos e 5 israelenses).

Hillary Clinton (esq.) comcede  entrevista com o chanceler egípcio, Mohamed Kamel Amr, e anuncia a trégua
Hillary Clinton (esq.) comcede entrevista com o chanceler egípcio, Mohamed Kamel Amr, e anuncia a trégua
Foto: Reuters

Saiba mais
Chefe militar do Hamas morre em ataque israelense a Gaza
Líder do Hamas diz que "os dias de Israel estão contados"
Israel fará o que for necessário em Gaza, diz Netanyahu
Com ofensiva terrestre, Israel pode sofrer revés internacional
Veja fotos do conflito na Faixa de Gaza

Os esforços do Egito para obter uma trégua permitiram "um acordo sobre um cessar-fogo", disse o chanceler egípcio durante coletiva de imprensa com a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton. O Egito foi, até agora, o principal mediador das partes israelense e árabe. Estados Unidos e Turquia também enviaram representantes, bem como as organizações internacionais ONU e Liga Árabe.

"Os Estados Unidos comemoram o acordo de hoje sobre um cessar fogo", declarou Clinton. "Nos próximos dias, os Estados Unidos trabalharão com seus aliados na região para consolidar este progresso", acrescentou. "Esse é um momento crítico para a região. O novo governo do Egito está assumindo a responsabilidade e a liderança que há muito tem feito deste país uma pedra angular para a estabilidade regional e a paz", disse.

O presidente americano, Barack Obama, elogiou aquilo que considera serem os "esforços" de Israel pela trégua. "O presidente expressou sua satisfação em relação aos esforços realizados pelo primeiro-ministro por um cessar-fogo durável e por uma solução a longo prazo, em cooperação com o novo governo egípcio", informou o Poder Executivo americano. Em conversa com o presidente egípcio, Mohammed Mursi, Obama também "reafirmou a estreita aliança entre EUA e Egito e deu as boas-vindas ao compromisso de Mursi pela segurança regional".

Por meio de nota, o governo israelense disse que relatou as tratativas ao governo americano. O premiê de Israel, Benjamin Netanyahu, "falou rapidamente com o presidente Barack Obama e concordou com sua recomendação de dar uma chance à proposta de cessar-fogo egípcia, e desta forma fornece uma oportunidade para estabilizar a situação e acalmá-la antes que mais ações fortes sejam necessárias", disse a nota de Tel Aviv.

Abaixo, a íntegra do acordo, segundo versão distribuída pela presidência egípcia à Reuters e a outros meios de comunicação internacionais:

Acordo de Entendimento para um Cessar-Fogo na Faixa de Gaza

1: (sem título para esse item)

A - Israel deve interromper todas as hostilidades na terra, mar e ar da Faixa de Gaza, incluindo incursões e ataques contra indivíduos.

B - Todas as facções palestinas devem interromper todas as hostilidades a partir da Faixa de Gaza contra Israel, incluindo ataques com foguetes e ataques ao longo da fronteira.

C - Abertura dos postos de fronteira, facilitação dos movimentos de pessoas e transferência de produtos, evitar restrições à livre movimentação de moradores e ataques contra residentes em áreas de fronteiras, e os procedimentos de implementação devem ser tratados após 24 horas do início do cessar-fogo.

D - Outras questões conforme solicitadas devem ser tratadas.

2: Mecanismos de implementação

A - Estabelecer a 0h para que o entendimento do cessar-fogo entre em vigor.

B - O Egito deve receber garantias de todas as partes de que cada parte se compromete com o que foi aceito acima.

C - Cada parte deve se comprometer a não realizar nenhum ato que viole esse entendimento. Em caso de quaisquer observações, o Egito como patrocinador deste entendimento deve ser informado para acompanhar.

Veja também:

Covid-19, gripe ou resfriado? Confira os sintomas
Fonte: Terra
publicidade