Mundo

publicidade
06 de março de 2012 • 12h46 • atualizado às 13h10

ONU: nº de pessoas sem acesso à água potável cai pela metade

 

Três anos antes do estipulado, foi possível cumprir a meta dos Objetivos do Milênio (ODM) de reduzir pela metade a proporção de pessoas sem acesso à água potável, concluiu um relatório conjunto do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O texto, divulgado nesta terça-feira, revela que entre 1990 e 2010, mais de 2 bilhões de pessoas tiveram acesso a fontes de água potável melhores, graças a encanamentos e poços protegidos.

De acordo com o documento - cujos números datam de 2010 - 89% da população mundial, 6,1 bilhões de pessoas, usam fontes aprimoradas de água potável, o que representa 1% a mais do que o número indicado na meta dos ODM.

Os autores do texto estimam que em 2015, 92% da população mundial terá acesso à água potável.

"O acesso à água potável é um dos determinantes de saúde mais importante", e "reduz de maneira exponencial o risco de contrair doenças", afirmou em entrevista coletiva a diretora de Saúde Pública e Meio Ambiente da OMS, Maria Neira.

"Mais de 3 mil crianças morrem diariamente por doenças que provocam diarreia e que são transmitidas por não contarem com água potável e saneamento adequado, elementos essenciais para a sobrevivência", disse o diretor do departamento de Água e Saneamento do Unicef, Sanjay Wijesekera.

A Assembleia Geral da ONU estabeleceu em 2010 que a água e o saneamento são direitos humanos básicos de todo indivíduo.

Os Objetivos do Milênio são metas de melhoria de níveis socioeconômicos que a ONU estabeleceu em 2000 para serem cumpridas até 2015.

Apesar do cumprimento da meta em relação à água potável, ainda existem 783 milhões de pessoas, ou 11% da população mundial, que não têm acesso a ela, o que levou as duas agências das Nações Unidas a pedirem "mais esforço e mais fundos" para esta causa.

"As iniciativas para o acesso à água potável e ao saneamento têm um dos custos de oportunidade mais elevados, por isso não se deve retroceder no empenho", avaliou Maria.

O aspecto mais complicado é o saneamento, já que o relatório revela que está longe de atingir a meta estabelecida nos ODM, e é "improvável" que o consiga para o ano 2015.

Segundo as estimativas, o objetivo só seria alcançado em 2026, a menos que haja um enorme esforço para revertê-lo.

Apenas 63% dos habitantes do planeta têm acesso ao saneamento, um número que só chegará a 67% em 2015, muito abaixo do alvo de 75% dos ODM. Atualmente, ainda existem 2,5 bilhões de pessoas que não contam com esse tipo de infraestrutura.

Por regiões, apenas 61% dos habitantes da África Subsaariana têm acesso a fontes apropriadas de água (mais de 40% de todas as pessoas do mundo que precisam de acesso à água potável vivem nessa região), em comparação com 90% da América Latina e Caribe, África do Norte e grande parte da Ásia.

Um elemento adicional que também deve ser considerado é a "carga desproporcional" que a falta de água provoca na vida das mulheres e meninas, já que na maioria dos casos elas são as responsáveis por obtê-la.

"Elas passam horas para buscar e trazer água, um tempo que poderia ser usado para estudar, e isso prejudica claramente o desenvolvimento delas", indicou Maria.

Dos 1,1 bilhão de pessoas que ainda fazem suas necessidades fisiológicas ao ar livre, a grande maioria (949 milhões) vive em zonas rurais.

Essa situação também ocorre em regiões com altos níveis de acesso à água potável, como por exemplo 17% da população rural da América Latina e do Caribe e 9% no norte da África.

Até mesmo em países com economias de rápido crescimento há um grande número de pessoas que recorre a essa prática: 626 milhões na Índia, 14 milhões na China e 7,2 milhões no Brasil.

EFE EFE - Agencia EFE - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agencia EFE S/A.