Sites relacionados
João Paulo II


Fale conosco

 Notícias por e-mail
O Novo Papa
Ratzinger, o 1º papa alemão desde a Idade Média
 
BBC Brasil
Joseph Ratzinger
Joseph Ratzinger
Saiba mais
» Rezei para alguém mais forte ser eleito, diz Papa
» Bento XVI retoma na quarta audiências do Papa
» Papa assegura que irá 'em breve' a Baviera
» 'Meu programa é ouvir Deus', diz Papa Bento XVI
» Sodano continuará sendo secretário do Vaticano
» Joseph Ratzinger é eleito o novo papa
» Perfil: conheça o Sumo Pontífice
Multimídia
Animações
» Como se elege o novo papa
Animações
Áudio e vídeo
» Papa quebra protocolo e desfila de papamóvel
» Papa diz que veio para servir, não reverenciado
Galeria de fotos
» Bento XVI recebe fiéis alemães
» Papa Bento XVI conduz sua missa inaugural
» Presentes comemoram missa inaugural
» Papa Bento XVI passeia de papamóvel
O novo papa Joseph Ratzinger era considerado um dos principais candidatos à sucessão devido ao seu prestígio como teólogo e por ser um guardião da doutrina. O primeiro pontífice alemão desde a Idade Média deve vir a cumprir uma função essencial para a descentralização da Igreja e para que ela não seja governada de forma monárquica.

» Fórum: opine sobre a escolha do novo papa
»
Especial: Leia mais sobre a escolha do novo Papa
» Vídeo: conclave escolhe Ratzinger

Aos 78 anos, usou sua mão-de-ferro para defender a doutrina da Igreja e, durante todo o longo pontificado de João Paulo II, puniu alguns importantes teólogos que criticavam a Igreja, em particular os latino-americanos ligados à teologia da libertação.

Nascido no dia 16 de abril em Marktl am Inn, na diocese de Passau, na Baviera, Ratzinger foi ordenado sacerdote no dia 29 de junho de 1951, nomeado arcebispo de Munique em março de 1977 e proclamado cardeal em 27 de junho de 1977 pelo Papa Paulo VI.

Ratzinger, que presidiu por quase 25 anos, desde 1981, a célebre Congregação para a Doutrina da Fé, conhecido como Santo Ofício da Inquisição, se tornou uma figura conhecida no Vaticano e no mundo. Chamado de Guardião do Dogma, ele combateu o sacerdócio feminino e condenou a homossexualidade, além de ser contra a comunhão aos divorciados que voltarem a se casar e a impedir o crescimento do laicismo dentro da Igreja. Mesmo assim, ele não se considera um "durão".

"Eu não sou o grande inquisidor e tampouco me sinto uma Cassandra quando examino os fatores negativos na Igreja", diz ele.

Até poucos anos, a candidatura de Ratzinger ao trono de Pedro era impensável, por ser símbolo de uma polarização conservadora.

» Leia todas as notícias sobre a sucessão
 

Redação Terra