inclusão de arquivo javascript

 
 

Pelo menos 345 morrem durante ritual em Meca

12 de janeiro de 2006 10h55 atualizado às 18h26

Meca recebeu neste ano mais de 2 milhões de peregrinos. Foto: EFE

Meca recebeu neste ano mais de 2 milhões de peregrinos
Foto: EFE

Pelo menos 345 pessoas morreram hoje em um tumulto ocorrido durante o último dia da peregrinação anual islâmica à cidade santa de Meca, informou o ministro saudita de Saúde, Hamid bin Abdallah Al Manei. A tragédia aconteceu durante o ritual de apedrejamento de Satã na cidade de Mina, a leste de Meca.

  • Saiba mais sobre a peregrinação a Meca
  • Tumulto mata 350 fiéis em apedrejamento. Assista

    Os peregrinos morreram na chamada ponte de Yamarat, que dá acesso às colunas que representam o diabo na localidade de Mina, próxima a Meca.

    "Os feridos são 289. Não sabemos ainda as nacionalidades porque a prioridade agora é atendê-los", disse o ministro em entrevista coletiva . Al Manei explicou que a causa da tragédia foram as bagagens que os peregrinos costumam carregar durante o último dia do ritual.

    Segundo sua hipótese, alguns deles perderam as malas e quando se agacharam para procurá-las foram atropelados pelos que vinham atrás. Al Manei reconheceu que é uma região muito perigosa e anunciou que o governo saudita se dispõe a ampliá-la no próximo ano para evitar acidentes como o de hoje.

    O ritual do apedrejamento do diabo põe fim à peregrinação anual muçulmana aos lugares santos de Meca e Medina, berços do Islã, de que este ano participaram mais de 2 milhões de fiéis chegados de todos os pontos do planeta.

    Avalanche humana
    Khaled Margabani, do Ministério da Saúde, explicou que o tumulto ocorreu na chamada ponte de Yamarat, que dá acesso às colunas que representam o diabo na localidade de Mina, próxima a Meca. O incidente foi descrito como "uma avalanche humana" pelo chefe da Defesa Civil regional da Arábia Saudita, general Adel Zamzami. "Assim que deram o alerta, foi impedido o fluxo de fiéis que chegavam à região aos milhares da vizinha Grande Mesquita", acrescentou.

    No entanto, pouco depois, o ritual continuou e os peregrinos lançavam suas sete pedras enquanto ambulâncias e veículos retiravam os cadáveres. O ritual do apedrejamento do diabo põe fim à peregrinação anual muçulmana aos lugares santos de Meca e Medina, berços do Islã, dos quais neste ano participaram mais de 2 milhões de fiéis chegados de todos os pontos do planeta.

    Apesar das medidas de segurança estabelecidas todos os anos pelas autoridades sauditas, acidentes deste tipo são freqüentes.

    Em 1990, mais de 1,4 mil peregrinos morreram em um tumulto similar em um dos túneis que levam às colunas de Mena, que os fiéis apedrejam em várias ocasiões com sete pedras recolhidas no caminho. Em 2004, um total de 244 pessoas morreram durante este ritual, o mais perigoso da peregrinação, um dos cinco pilares do Islã.

  • Redação Terra