inclusão de arquivo javascript

 
 

Imigrantes ilegais nos EUA chegam a 11 milhões

21 de março de 2005 17h17

Chega a quase 11 milhões o número de imigrantes ilegais nos Estados Unidos, dos quais cerca de seis milhões são mexicanos, segundo um estudo divulgado hoje pelo Centro Hispano Pew.

O relatório foi divulgado às vésperas da reunião entre o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e o presidente do México, Vicente Fox, em Waco (Texas), na quarta-feira. A agenda do encontro inclui conversas sobre um eventual acordo migratório bilateral. O primeiro-ministro canadense, Paul Martin, também estará presente na reunião.

O Centro Pew, uma organização de pesquisa sem fins lucrativos, apontou que até março de 2004 a população de imigrantes sem documentos nos EUA era de cerca 10,3 milhões de pessoas. Desse totoal, 57% eram mexicanos, ou seja, 5,9 milhões, conforme cálculos do Escritório do Censo e do Departamento de Trabalho dos EUA.

No ano de 2004, o então secretário de Segurança Nacional, Tom Ridge, disse que o número de imigrantes sem documentos estaria entre oito e 12 milhões de pessoas.

O Centro Pew indicou que, se for considerado o crescimento demográfico de imigrantes sem documentação nos últimos anos, o número de estrangeiros sem "papéis" migratórios pode chegar a 11 milhões.

O relatório explicou que, em anos recentes, entre 80% e 85% dos imigrantes ilegais nos EUA eram de origem mexicana. Arizona e Carolina do Norte estão hoje entre os estados dos EUA com o maior número de imigrantes ilegais, segundo o Centro Pew.

EFE
EFE - Agência EFE - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agência EFE S/A.