inclusão de arquivo javascript

 
 

Fotos mostrariam estupros e agressões no Iraque

08 de maio de 2004 12h06 atualizado às 12h06

A imprensa britânica publicou hoje novos testemunhos sobre os espancamentos e abusos sistemáticos cometidos contra presos iraquianos por soldados de uma mesma unidade britânica.

A rede americana NBC News também denunciou a existência de fotos, ainda não divulgadas, que mostram diversos soldados dos EUA espancando prisioneiros iraquianos à beira da morte, estuprando prisioneiras mulheres e violando cadáveres. Os oficiais ainda disseram que existem fitas gravadas que mostram guardas iraquianos estuprando garotos.

Na Grã-Bretanha, pela terceira vez em uma semana, o tablóide Daily Mirror publica revelações contra soldados do regimento Queen's Lancashire, acusando-os, desta vez, de terem gravado os maus-tratos em CDs para guardar como recordação.

O jornal londrino The Independent publica, por sua vez, o testemunho de um ex-prisioneiro iraquiano que afirma ter sido atingido na nuca, no peito e nas partes genitais por soldados do mesmo regimento. Kifah Talah, de 44 anos, afirma - no que o jornal chama de "primeiro relatório de uma testemunha ocular" dos maus-tratos cometidos pelos militares britânicos - que foi torturado e humilhado por até oito soldados de uma vez durante três dias seguidos.

Daily Mirror, um dos veículos impressos de maior tiragem na Grã-Bretanha, publica na primeira página uma foto que, segundo o jornal, teria sido enviada por um soldado deste regimento, atualmente baseado em Chipre. A imagem mostra, como diz a legenda, um soldado que, no fundo de um veículo blindado, fotografa um detido preso e com os dentes ensangüentados. "Tirei a foto quando abri as portas do veículo e vi a sujeira da camisa e o sangue nos dentes do homem", explicou o "soldado D", pseudônimo usado pelo jornal.

"Quando a gente volta do Iraque, as pessoas não sabem o que tivemos de enfrentar. Se a gente tem as fotos, podemos mostrá-las", argumentou. "Quando saímos de lá, nos mandaram jogar tudo isto fora, mas se tivessem feito uma busca eficaz teriam encontrado CDs e todo tipo de coisas", acrescentou. "Havia um CD com mais de 500 fotos que circulava nos dormitórios. Algumas das fotos eram do tipo antes e depois das porradas", contou.

AFP
AFP - Todos os direitos de reprodução e representação reservados. Clique aqui para limitações e restrições ao uso.